Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quarta, 30 de outubro de 2002, 23h16 
PMDB faz advertência a Sarney
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A cúpula do PMDB mandou ontem um recado ao ex-presidente José Sarney (MA). Ele não está autorizado a negociar qualquer cargo com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Sarney já mostrou interesse em ocupar a presidência do Senado. O líder do PMDB na Casa, senador Renan Calheiros (AL), anunciaria ontem na tribuna que faria oposição ao governo Lula. O pronunciamento foi substituído por uma entrevista coletiva. Renan informou apenas que, terça-feira, a Executiva do partido se reunirá com os cinco governadores eleitos para decidir a posição do PMDB no governo PT. A disposição de ser oposição deu lugar a um compasso de espera.

"O PT ainda não nos procurou para conversar oficialmente, apesar do desejo para que o diálogo aconteça. Mas estamos indicando qual o melhor caminho para a conversação", disse Renan.

A negociação para eleger o presidente de Câmara ou Senado deve ser partidária ou institucional, advertiu o senador. Segundo Renan, existem três nomes cotados para assumir a presidência do Senado: o dele, o de Sarney e o do atual presidente, Ramez Tebet.

"Qualquer negociação feita acima dos partidos causará sérios precedentes que podem prejudicar a governabilidade."

O presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), passou os últimos dois dias acertando com os governadores eleitos a reunião da próxima semana. Ontem, Luiz Henrique, eleito por Santa Catarina, ficou de procurar o senador Roberto Requião, eleito pelo Paraná. O objetivo de Temer é manter o partido unido, mesmo que para isso faça parte do governo Lula.
 

Jornal do Brasil