Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quarta, 30 de outubro de 2002, 20h28 
Embaixadora dos EUA negocia visita de Lula antes da posse
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A embaixadora norte-americana no Brasil, Donna Hrinak, afirmou na quarta-feira, após encontro com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, que está negociando a possibilidade de uma viagem de Lula aos Estados Unidos ainda no período de transição.

"Esperamos a visita de pessoas de Washington para o Brasil durante esse período de transição. Esperamos também a equipe do presidente Lula em Washington", disse ela após a reunião com Lula em São Paulo.

A embaixadora reiterou a importância da cooperação do Brasil nas negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

"Os dois países tem uma grande responsabilidade de liderança no processo de negociação da Alca. O Brasil é um parceiro essencial dos EUA e achamos que nós somos um parceiro essencial para o Brasil", disse.

No dia primeiro, ministros de comércio das Américas irão participar de um encontro em Quito, no Equador. O novo governo do PT irá enviar um observador à reunião, o deputado Paulo Delgado (PT-MG).

"Esperamos negociações duras, mas esperamos um bom acordo entre os 34 países para que nenhum saia da mesa dizendo eu ganhei", observou.

Após o encontro com a embaixadora, Lula reuniu-se com o presidente da Central Ûnica dos Trabalhadores (CUT), João Antonio Felicio, no primeiro encontro de uma série que o presidente eleito terá com sindicalistas.

Felicio adotou um tom amistoso em relação ao novo governo, mas disse que não haverá trégua nas reivindicações.

"A CUT não vai mudar seu jeito de fazer política, até porque não somos governo. Estamos entrando em uma nova fase e vamos participar com idéias e políticas. Vai ser uma parceria", disse o sindicalista.

"Queremos que o governo Lula dê certo. Vamos participar através de uma negociação permanente, mas trégua não faz parte de nosso dicionário".

Na quinta-feira, Lula se reúne com assessores em São Paulo para discutir a transição de governo e organizar a agenda. No dia seguinte o presidente eleito tem reunião com representantes da Frente Trabalhista.
 

Reuters

Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.