Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quarta, 30 de outubro de 2002, 20h23 
PMDB quer ajudar Lula a garantir governabilidade
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O PMDB está disposto a colaborar com o governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. O senador Renan Calheiros (AL), líder do partido no Senado, afirmou hoje que o PMDB está aguardando um convite do PT para conversar sobre apoios e a base de sustentação de seu governo.

Ele sinalizou que, dependendo da proposta que o PT fizer, o PMDB pode efetivamente participar de seu governo. De qualquer forma, disse, a idéia do partido - que junto com o PSDB constituiu a aliança que lançou o candidato derrotado José Serra à Presidência - é contribuir para garantir a governabilidade, sem pleitear cargos na administração Lula.

"O PMDB quer ajudar na governabilidade, na eficácia do governo", disse Calheiros.

Segundo o senador, a executiva do PMDB e seus governadores eleitos vão se reunir em Brasília no início da próxima semana para discutir os rumos do partido. Calheiros disse que o PMDB quer colaborar na aprovação de projetos como o Orçamento de 2003, a regulamentação do artigo 192, que trata do sistema financeiro e pode levar à autonomia operacional do Banco Central, e "encaminhar uma proposta de salário mínimo compatível" - ele não detalhou qual seria essa proposta.

A proposta encaminhada ao Congresso pelo governo Fernando Henrique Cardoso, indica que o salário mínimo deverá subir dos atuais R$ 200 para R$ 211 reais, um reajuste de 5%.

O senador indicou ainda que é prematuro discutir as novas presidências do Senado e da Câmara este ano, mas ressaltou que o PMDB pretende batalhar para ocupar os dois cargos por meio de uma negociação partidária.

Perguntado sobre as especulações em torno das aspirações do ex-presidente e senador José Sarney (PMDB-AP), que apoiou Lula na eleição, de ocupar a presidência do Senado no ano que vem, Calheiros alertou que qualquer negociação por cima dos partidos causará um "sério precedente que poderá prejudicar a governabilidade".

"Qualquer negociação para a presidência da Câmara e do Senado terá que acontecer de maneira institucional. Não aceitamos nenhuma posição acima do partido," disse Calheiros, mostrando-se ele mesmo disposto a disputar o cargo.

Já o deputado Arthur Virgílio (PSDB-AM), líder do governo no Congresso e parte da equipe de transição do lado do governo Fernando Henrique, fez um pronunciamento na Câmara dos Deputados para cobrar clareza do PT sobre as suas propostas de governo para os próximos quatro anos e seus compromissos com a estabilidade econômica e a disciplina fiscal.

No pronunciamento, Virgílio pediu esclarecimentos ao PT sobre sua proposta para o salário mínimo, suas relações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o controle da inflação.

O deputado cobrou que o PT seja austero e pague o preço da impopularidade se for necessário. Ele disse ainda que o PSDB não "fará propostas para desgovernar" o país.
 

Reuters

Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.