Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quarta, 30 de outubro de 2002, 18h44 
PT tenta acelerar votações na Câmara
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O PT estuda retirar uma série de emendas que apresentou às medidas provisórias (MPs) que trancam a pauta da Câmara atualmente com o objetivo de acelerar as votações. Só com a pauta livre, o partido terá condições de votar os projetos que considera importantes para assegurar a governabilidade no próximo ano.

O presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), o líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), e o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), interlocutor da equipe de transição na Casa, fizeram uma primeira reunião nesta tarde para acertar um cronograma de votação das 34 MPs que impedem o início de novas votações neste momento.

Em contrapartida, o governo retiraria a urgência constitucional de quatro projetos que tramitam na Casa atualmente, que também passarão a emperrar as votações após as MPs.

"Queremos ter a pauta livre o mais rápido possível para poder votar matérias do interesse do país sugeridas pelo presidente eleito", disse Aécio após a reunião. "Existe uma demonstração de responsabilidade das duas partes."

Apesar do acordo entre as lideranças do atual governo e do próximo para a desobstrução da pauta da Câmara o mais rápido possível, a votação das MPs não é tão simples quanto parece. Algumas delas têm mais de 300 emendas, boa parte deles apresentada pela atual oposição.

Segundo interlocutores do atual governo, convencer deputados do PSDB e PMDB que não terão novo mandato em 2003 a votar favoravelmente ao PT também não é nada fácil. Essa tarefa é parte do trabalho de Madeira atualmente, que se encontrou pela manhã com o presidente Fernando Henrique Cardoso.

"Estamos abertos para criar melhores condições de governabilidade (...) Não podemos deixar o próximo governo sem receitas para administrar o país."

Ao ser perguntado sobre como está sendo negociar com o PT agora que o partido está próximo de ser governo, Madeira brincou.

"Se o líder João Paulo me permite, acho que o PT ficou mais responsável", disse Madeira rindo. O líder do PT rebateu afirmando que o partido sempre agiu com responsabilidade.

Alguns parlamentares do PSDB e do PMDB têm alegado incoerência no PT agora que o partido venceu a eleição presidencial.

A principal alegação é que o partido está sendo evasivo em temas que sempre defendeu, como o aumento do funcionalismo público e do salário mínimo. Segundo o atual Orçamento, o aumento seria de apenas R$ 11 no próximo ano. Segundo João Paulo, esse valor deve ser decidido pelo PT apenas no mês de dezembro.

Outro tema polêmico é a manutenção da alíquota de 27,5% do imposto de renda, que no próximo ano cai para 25%.

Segundo João Paulo, é preciso encontrar receitas que compensem a perda de arrecadação com a queda da alíquota ou o partido será obrigado a apresentar um projeto para mantê-la nos próximos anos.
 

Reuters

Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.