Notícias Eleições Presidência


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quarta, 30 de outubro de 2002, 18h12 
Orçamento apertado dificulta mínimo em R$ 240
 
Veja também
Notícias
» PSDB defende salário mínimo de R$ 240
» Orçamento apertado dificulta mínimo em R$ 240
» Orçamento traz polêmica sobre IR e salário mínimo
» Inocêncio diverge do PT sobre salário mínimo e IR
» PT admite rever proposta de elevar mínimo a R$ 240
Últimas sobre Presidência
» Governadores do RS e SC discutem posição do PMDB
» Lula reúne partidos aliados para discutir apoio e participação
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldo Lessa diz que dará trégua para Lula
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), admitiu hoje que o orçamento de 2003 é apertado e que, por isso, é provável que não seja possível fixar em R$ 240 o valor do salário mínimo para o próximo ano. Na proposta orçamentária que enviou ao Congresso, o governo prevê aumento de apenas 5,5% para o salário mínimo, o que o elevaria para R$ 211. "O orçamento é absolutamente equilibrado", declarou Madeira.

"O País não vive uma situação fácil, existem tensões internacionais. Não podemos ser irresponsáveis de aumentar as despesas sem ter receitas ou de deixar o próximo governo sem receitas", disse ele. Com esta afirmação, o deputado tucano acena com a possibilidade de o governo atual concordar também com a manutenção da alíquota de 27,5% do imposto de renda, que cairia para 25% a partir de janeiro.

A renovação desta alíquota é uma das prioridades para o PT durante o período de transição do governo. O partido também quer prorrogar a alíquota de 9% da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que voltaria a ser de 8% em 2003. Essas duas medidas ajudariam a compensar parte da falta de recursos orçamentários no ano que vem.

"Da nossa parte, estamos abertos para criar todas as condições de governabilidade", disse Madeira, destacado como um dos interlocutores do governo atual com a equipe de transição do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O deputado tucano ironizou a preocupação do PT de manter as contas públicas em ordem, mesmo que isso signifique salário mínimo menos e imposto de renda maior. "Parece que o PT ficou mais responsável", declarou Madeira. "O PT sempre foi responsável", rebateu João Paulo.
 

Investnews - Gazeta Mercantil