Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 22h21 
Banco Central confia em governo do PT
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O presidente do Banco Central, Arminio Fraga, disse ontem que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva tem condições de conquistar a confiança do mercado, estabelecer uma trajetória de crescimento virtuoso da economia e administrar a sustentabilidade da dívida pública.

"Nós temos condições, com perseverança, paciência e determinação, de superar esse quadro", afirmou Fraga, referindo-se às declarações do presidente eleito.

Segundo Fraga, as declarações de Lula - como manter o superávit primário (receitas menos despesas, excluído o pagamento de juros) necessário - se cumpridas, sinalizam que a trajetória da relação dívida/PIB será descendente e essa queda virá acompanhada da redução do risco-país, que está bastante elevado, e da diminuição do grau de incertezas internas e externas.

"Estamos hoje caminhando em direção ao que parece ser a recuperação da confiança e do crédito", disse Arminio.

Segundo o presidente do BC, o próximo governo terá condições para trilhar um caminho de crescimento econômico virtuoso. Para ele, esse crescimento é consequência de ajustes feitos pela equipe de Fernando Henrique Cardoso como no sistema financeiro, na responsabilidade fiscal, na estabilização da inflação e na adoção de câmbio flutuante.

Arminio participou ontem de audiência na Comissão Mista do Orçamento para explicar o balanço do BC, que no semestre deve prejuízo de R 10,9 bilhões, e os reflexos da política econômica e monetária adotadas pelo governo.

O deputado Sergio Miranda (PCdoB-MG) foi o mais crítico à política de Arminio. Disse que ele teve um prejuízo de R$ 25 bilhões ou 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB), durante seus quatro anos de governo. Esse montante é superior ao que o atual governo - 1,5% - gastou com a área social no período.

Por este motivo, Miranda questionou a aprovação de uma autonomia maior para o BC. Arminio concordou com o deputado, dizendo defender uma autonomia com limites na exposição cambial e em operações de liquidez. Ele sugere que o descumprimento desses limites só poderiam ser feitos com autorização de autoridades fiscais.

O presidente do BC afirmou que a meta de inflação para 2003 - 4% com folga de 2,5 pontos percentuais - dependerá da crise de confiança. Superado o problema, câmbio e inflação voltam aos trilhos.
 

Jornal do Brasil