Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 20h36 
Fraga diz que Lula terá competência para administrar dívida do PIB
 
Veja também
Galeria de Fotos
» Primeiro encontro de FHC e Lula
Notícias
» Visita de Lula a Brasília frustra expectativa sobre ministério
» Lula anuncia que Palocci coordenará equipe de transição
» Saiba quem é Antônio Palocci
» Os nomes da equipe do PT
» Quem integra a equipe do governo
» Conselho vai traçar programas sociais
» FHC deixa inflação sob controle e dívida alta
» Frases de Lula depois de eleito
Links
» Transição 2002: Lula vai tentar atrasar anúncio de ministério
» Biografia de Lula
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga, disse hoje não ter qualquer dúvida de que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e sua equipe irão administrar a dívida líquida do setor público em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Segundo ele, algumas análises internacionais que põem em dúvida a sustentabilidade da dívida pelo novo governo são errôneas e que o próprio Lula já deu declarações que repercutiram positivamente no mercado financeiro.

"Essas avaliações (de incertezas) não procedem. Não tenho dúvida quanto a competência de Lula", afirmou, na comissão mista de Orçamento. Com a definição do processo eleitoral, Fraga acredita que, em pouco tempo, a fase de ansiedade no mercado terminará.

"Não há razão de prosseguir", declarou. O presidente do BC disse ainda que a relação dívida/PIB deverá assumir agora uma trajetória descendente com o final de uma volatilidade mais intensa. Ele explicou que, desde 1998, a dívida cresceu 16,30%, sendo que 14,93% refletem a variação cambial. "Há uma composição de fatores para o aumento da dívida em relação ao PIB. Mas a variação cambial é a mais importante", disse.

Fraga enfatizou que a dívida foi puxada principalmente pela depreciação cambial, que tem um limite. "É importante observarmos que a dívida não teria crescido, mesmo com períodos difíceis internos, como o racionamento de energia, se não houvesse a depreciação do câmbio", afirmou.
 

Investnews - Gazeta Mercantil