Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 18h10 
Líder do PT diz que Orçamento é única prioridade
 
Veja também
Notícias
» Base aliada se prepara para ser oposição
» Alckmin diz a Lula que quer trabalhar em conjunto
» Benedita diz que eleição de Lula representa vitória do povo
» PMDB-GO vai apoiar governo Lula
» Para Sarney, Lula consolida democracia no país
» Benedita pede a Lula renegociação da dívida do Rio
» ACM declara voto para Lula
» Reformulado, PSDB vai ser oposição
» CNI divulga nota pedindo reformas a Lula
» Fiesp diz que discurso de Lula tranqüilizou o mercado
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O deputado João Paulo Cunha (SP), encarregado hoje pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para cuidar dos assuntos referente ao Congresso nesse período de transição, disse hoje que ainda não está definida a agenda de votações para este fim de ano. Segundo ele, a única prioridade já definida é o Orçamento Geral da União (OGU) de 2003.

Segundo João Paulo, o atual líder do governo na Câmara, deputado Arnaldo Madeira (PSDB-SP), terá um papel importante na interlocução entre o PT e o Executivo e também na aprovação de matérias que venham a ser consideradas importantes.

O parlamentar disse que o PT está preparado para ser pressionado, a partir do ano que vem, por governadores em busca de renegociação de suas dívidas estaduais. De acordo com ele, no entanto, não é possível ainda fazer nenhum aceno no sentido da renegociação. "2003 vai ser um ano de observação", disse João Paulo. "Os governadores eleitos vão ter que entender que esse momento é de preocupação com o Brasil".
 

Investnews - Gazeta Mercantil