Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 18h00 
EUA esperam tom de confronto no governo Lula
 
Veja também
Galeria de Fotos
» Jornais estrangeiros e a vitória de Lula
Notícias
» Jornais internacionais destacam crise do Brasil
» Manchetes internacionais: EUA e França estão perto de acordo sobre o Iraque
» Jornais internacionais destacam medidas de Lula
» EUA estendem mãos a Lula para manter rumo da economia
» Sandinistas comemoram vitória de Lula
» Comissão pede a Lula associação entre UE e Mercosul
» Duhalde saúda Lula
Links
» Biografia de Lula
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Os Estados Unidos esperam maior confronto com o Brasil durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, mas acham que sua política externa mudará "mais em estilo e tom do que em substância"', disse hoje Jim Carragher, diretor para Brasil e Cone Sul do Departamento de Estado.

Falando no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em Washington, Carragher observou: "Sempre houve diferenças táticas com o Brasil. O que partilhamos e continuaremos partilhando nos próximos quatro anos e no futuro previsível é a dedicação a preservar e expandir a democracia no hemisfério."

"Acho que talvez tenhamos que trabalhar mais duro com a administração de Da Silva para obter apoio em alguns temas que buscamos em foros multilaterais", disse Carragher. Ele acrescentou que Washington está disposto a "trabalhar tanto quanto possível para melhorar" a atual "excelente relação bilateral".

Ante comentários sobre o fato de Lula não ter nível universitário e experiência como governante, Carragher comentou que "um homem que começa sua vida adulta como operário e se torna presidente de uma das maiores democracias do mundo é uma pessoa que aprende e que aprende rápido."
 

Jornal do Brasil