Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 11h28 
Calheiros diz que PMDB fará "oposição responsável"
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, reúne-se esta semana com a cúpula do partido, em Brasília, para avaliar as posições que serão adotadas pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Mas, desde já, Renan garantiu que, por força das urnas, fará oposição ao governo petista, "com responsabilidade, consciência crítica e sugerindo caminhos para melhorar o País, quando for necessário." "Vamos aguardar as diretrizes para nos posicionar sobre o novo governo", afirmou.

Para garantir a governabilidade, Renan garantiu que o PMDB irá ajudar o futuro presidente, votando nos projetos que forem de interesse do País, mas mantendo uma postura de independência dentro do Congresso Nacional. Renan salientou que, com a vitória concedida ao candidato do PSDB à presidência da República, senador José Serra, nos dois turnos da eleição em Alagoas, cresce ainda mais a sua responsabilidade e a do senador Teotonio Vilela Filho (PSDB) com o eleitorado e os 102 municípios alagoanos.

Renan disse que determinou ao senador cearense Sérgio Machado, indicado pelo partido como relator no projeto do Orçamento da União para 2003, que converse com o presidente eleito e com a equipe de transição que será indicada por Lula, para verificar qual a posição sobre a matéria e os desejos dos petistas. De antemão, o senador revelou que o orçamento para o próximo ano está apertado, despesas foram cortadas e existem apenas R$ 7,2 bilhões para investimentos, o que trará dificuldades para conseguir recursos para os Estados.

Para o senador, o País terá problemas porque o mercado está agindo de forma especulativa, levando o dólar a um alto patamar, e o novo governo não deverá aumentar o superávit como deseja, porque acarretará em cortes de despesas ou aumento da carga tributária, que já é muito alta.
 

O Jornal