Notícias Eleições Rio Grande do Norte Governo RN Wilma Maria De Faria


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Rio Grande do Norte
Terça, 8 de outubro de 2002, 23h21 
Wilma e Fernando discutem novas alianças no RN
 
Últimas sobre Wilma Maria De Faria
» Wilma de Faria defende aliança do PSB com PT
» PT-RN não participaria de eventual governo do PSB
» Ibope indica Wilma de Faria com 61% de preferência no RN
» Marcelo Crivella vai ao RN apoiar Wilma
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Os candidatos ao governo, Fernando Freire (PPB) e Wilma de Faria (PSB), fizeram questão de demonstrar nas entrevistas que concederam ontem que estão de braços abertos para todos que quiserem apoiá-los no segundo turno das eleições.

Os dois deverão repetir, para os eleitores, as idéias e planos de governo transmitidos no primeiro turno. Com a diferença, de que no guia eleitoral, terão tempos iguais para o debate político, ou seja, 10 minutos.

Fernando Freire reafirma o que disse na noite de domingo, chama a ex-prefeita para ampliar o debate, além de achar que a sociedade 'já está encontrando a acomodação natural' e decidir com quem fica no segundo turno.

Uma de suas propostas, afirma o governador, é a apresentação do orçamento regionalizado. "Queremos identificar na fonte as necessidades da população", explicou o governador, que condiciona a liberação dos recursos e a execução dos projetos ao Orçamento Geral do Estado, que está para ser votado na Assembléia Legislativa.

A ex-prefeita Wilma de Faria também é comedida em falar sobre alianças políticas e partidárias para o segundo turno. Mas, não nega que está aberta a todas as conversas, inclusive com o senador José Agripino Maia (PFL), recém eleitor para o Congresso Nacional.

Wilma de Faria já fala em votar em Lula para presidente da República, no segundo turno, confirmando conversas telefônicas feitas com o deputado do PT paulista, José Dirceu. "Naturalmente, esse deve ser o nosso caminho, pois estamos no mesmo campo ideológico, posicionando-se contra a política econômica do presidente Fernando Henrique Cardoso", disse.
 

Jornal do Brasil