Notícias Eleições Paraíba Senado Paraíba


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Paraíba
Quinta, 5 de setembro de 2002, 19h36 
PMDB da PB denuncia censura por parte de afiliada da Globo
 
Últimas sobre Senado Paraíba
» Candidato ao Senado diz que foi traído por coligação
» Zé Maranhão e Braga venceriam Senado na Paraíba
» Candidato diz que adversário envergonha a PB
» Juiz obriga TV da PB a exibir guia de Burity censurado
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A coligação "Pra Frente Paraíba", liderada pelo PMDB, denunciou ontem atos de "censura e boicote" à propaganda eleitoral do candidato a senador, o ex-governador Tarcísio de Miranda Burity, supostamente praticados pela TV Cabo, emissora responsável pela geração do horário eleitoral gratuito. A "censura e boicote" teriam ocorrido na noite desta quarta-feira, quando o programa enviado pela coordenação da campanha foi substituído por outro.

O programa não levado ao ar, segundo o jornalista Edmilson Lucena, um dos coordenadores da campanha do PMDB, mostrava o candidato Tarcísio Burity falando sobre o atentado que sofreu em novembro de 1993, quando o então governador Ronaldo Cunha Lima (hoje senador), pai do candidato a governador pela coligação PSDB/PFL, Cássio Cunha Lima, disparou dois tiros contra ele, no interior do restaurante Gulliver, no bairro de Tambaú, em João Pessoa.

Além de contar detalhes do atentado, o programa do candidato ao Senado pelo PMDB, também iria mostrar uma foto de Cássio e declarações suas a um jornal local, à época, defendendo que o erro do pai teria sido ir pessoalmente atentar contra a vida do ex-governador Tarcísio Burity.

Para o jornalista Edmilson Lucena, o programa de Burity "não foi levado ao ar de propósito, para dar tempo ao adversário se defender". Ele explicou que o programa do candidato a Senado foi na mesma fita em que estava gravado o programa do candidato a governador, que foi apresentado sem problemas, enquanto o outro teria sido "boicotado".

O advogado José Edísio Souto, da assessoria jurídica da coligação "Pra Frente Paraíba", comunicou o fato, que considera "gravíssimo", ao representante do Ministério Público Eleitoral na Paraíba, procurador Antônio Edílio de Magalhães Teixeira, solicitando a instauração de inquérito para investigação do suposto crime eleitoral.

Na área da Justiça Eleitoral, o advogado peemedebista também denunciou o fato ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), pedindo providências urgentes e argüindo a suspeição da TV Cabo Branco para gerar o programa eleitoral.

Os peemedebistas lembram que o diretor-presidente da TV Cabo Branco, o empresário José Carlos da Silva Júnior, é suplente de senador de Ronaldo Cunha Lima, a quem o programa do ex-governador Burity atingiria.
 

JB Online