Notícias Eleições Pernambuco Câmara Pernambuco


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Pernambuco
Quarta, 21 de agosto de 2002, 18h05 
Candidato do PDT imita Enéas para ganhar votos
 
Últimas sobre Câmara Pernambuco
» Avô e neto elegem-se para a Câmara por PE
» Policial morre em assalto a comitê em Pernambuco
» Procurador quer que Inocêncio explique trabalho escravo
» Abertas ações na Justiça do Trabalho contra Inocêncio
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Um metro e sessenta e dois de altura, barba pintada, óculos e discurso para quem vai votar em branco ou nulo. Imitar o ex-presidenciável Enéas Carneiro (Prona) foi a estratégia armada por Ivanildo Eneás Ferreira (PDT) para tentar garantir uma vaga de deputado federal em Pernambuco. E o pedetista seguiu à risca os passos do sósia famoso, mas esbarrou na Justiça Eleitoral. Ivanildo bem que tentou usar uma barba postiça junto com a famosa frase "Meu nome é Enéas", mas foi proibido pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Irritado com a proibição do TRE, ele decidiu deixar a barba crescer e pintá-la de preto - aos 60 anos, tem os pelos brancos. Também passou a usar um óculos, para ficar parecido com o verdadeiro Enéas. O próprio pedetista se diverte com essa semelhança. "Um amigo meu, chamado Albiérgio, gosta de dizer que foi ele quem fez o clone de Enéas", brinca, lembrando da última novela das oito da Rede Globo.

"Quero chamar a atenção de quem não vota em ninguém. Quem não confia em político e vai votar em branco ou nulo, vota em Enéas", afirma o candidato. O pedetista está apostando suas fichas nas semelhança com o candidato do Prona para angariar votos. "Doutor Enéas tinha 2% dos votos, o que é muito. Se eu conquistar os eleitores dele no Estado, vou conseguir chegar à Câmara dos Deputados", afirmou.

Segundo Enéas "cover", todo esse tumulto em torno do seu nome na Justiça Eleitoral acabou favorecendo a sua campanha. "Essa confusão chamou a atenção do povo para mim. Agora eu passo nas ruas e as pessoas vêm falar comigo, buzinam dos carros, me pedem panfletos, me dão apoio", explicou o candidato, que já foi vereador em Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife, entre 1982 e 1988, pelo PMDB.
 

Jornal do Commercio