Rio de Janeiro (RJ)

Terça, 30 de dezembro de 2008, 15h49 Atualizada às 17h17

Rio: vereador será secretário de Ciência e Tecnologia

  • Notícias

Daniel Gonçalves
Direto do Rio de Janeiro

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), anunciou nesta terça-feira o vereador Rubens Andrade (PSB) como futuro secretário de Ciência e Tecnologia. A pasta não existe na atual administração municipal e será criada pelo novo prefeito.

Segundo Andrade, seu maior desafio será a estruturação da secretaria e a criação de praças digitais que funcionarão como quiosques, em que serão oferecidos serviços e cursos gratuitos à população, além de acesso à internet. O futuro secretário afirmou que vai levar sinais de internet também para comunidades carentes, onde são realizadas as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O morro Dona Marta, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, será o primeiro local beneficiado com os novos projetos. "Esse é um tema fundamental para a cidade do Rio de Janeiro, que ainda é a capital do conhecimento. Esta é uma pasta que a cidade estava atrasada em trazê-la", disse Paes.

Rubens Andrade foi eleito para seu terceiro mandato como vereador. Ele integrou a recente CPI da Cidade da Música, que apurou os gastos da obra, e foi subsecretário de Governo e subsecretário estadual da Criança e do Adolescente. Com essa divulgação, Eduardo Paes concluiu as 22 secretarias do seu futuro governo. Contudo, ele garantiu que posteriormente vai criar a Secretaria da Mulher.

Subprefeitos
Eduardo Paes apresentou os seis futuros subprefeitos da administração municipal. Thiago Mohamed será subprefeito da Barra da Tijuca e Jacarepaguá; Marcus Vinícius Lima da Silva assumirá a subprefeitura do centro; Bruno Ramos, a subprefeitura da zona sul; Edimar Teixeira, subprefeitura da zona oeste; Luiz Gustavo Trotta, subprefeitura da Grande Tijuca; André Luiz dos Santos, subprefeitura da zona norte.

"É um time de pessoas que eu quero que seja os olhos do prefeito. Eu busquei pessoas que tenham ligações comigo e que não tenham pretensões eleitoreiras", disse Paes.

O prefeito eleito admitiu que é incoerente ter pedido aos novos subprefeitos que não se candidatem a cargos politicos durante a gestão. De acordo com Paes, isso pode atrapalhar as prioridades, mas ele próprio entrou na vida política após ser subprefeito da Barra da Tijuca, na gestão de Cesar Maia.

"Eu não virei ditador. Mas acho que isso é adequado. Contudo, eu não posso proibir ninguém, cada um faz o que quer da vida. Mas é assim que eu gostaria que fosse", afirmou.

"Decreto duro"
Eduardo Paes afirmou ainda que vai assinar logo no dia 1º um decreto na execução orçamentária do município que, segundo ele, será "duro". O objetivo é amenizar o rombo financeiro da prefeitura no ano de 2009, que deve ser marcado pela recessão.

A dívida do município chegou a R$ 8,5 bilhões em 2008, 11% a mais que em 2007. O gasto com o pessoal está próximo do limite prudencial de 51% previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal, segundo Paes.

O prefeito eleito não divulgou como fará para resolver o problema: se vai cortar funcionários ou aumentar a arrecadação.


Redação Terra