Manaus (AM)

Segunda, 8 de dezembro de 2008, 20h57 Atualizada às 21h10

Justiça concede liminar contra cassação de Amazonino

  • Notícias

Arnoldo Santos
Direto de Manaus

A desembargadora Maria das Graças Pessoa Figueiredo, vice-presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Amazonas, suspendeu com liminar a um mandado de segurança a medida que cancelava os registros de candidatura do prefeito eleito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), e de seu vice, Carlos Souza (PTB). Eles são acusados de comprar votos. A decisão torna possível a diplomação dos dois no dia 17 de dezembro.

A magistrada também tornou sem efeito a multa de 50 mil Unidades Fiscais de Referência (Ufirs) aplicada aos dois candidatos. "Agora nós vamos esperar que a Justiça não impeça a posse do candidato. Razão nenhuma assiste à primeira decisão porque não existe qualquer prova de que houve compra de votos", disse o advogado de Amazonino, Júnior Fernandes.

Na véspera do primeiro turno, a Polícia Federal apreendeu 419 requisições de carros abastecidos com 20 litros de gasolina cada um. Nelas havia a frase "eleições 2008-Amazonino Mendes". A suposta distribuição de vales-combustível caracteriza captação ilícita de voto. Além disso, haveria irregularidades no preenchimento dos cupons fiscais emitidos (o CNPJ não corresponderia ao da coligação Manaus, um Futuro Melhor).


Especial para Terra