Rio de Janeiro (RJ)

Quinta, 6 de novembro de 2008, 12h12 Atualizada às 12h37

Paes anuncia dois novos nomes na segurança do Rio

  • Notícias

Daniel Gonçalves
Direto do Rio de Janeiro

O prefeito eleito do Rio de Janeiro (RJ) Eduardo Paes, PMDB, anunciou nesta manhã os nomes do tenente-coronel Ricardo Pacheco para Superintendência da guarda municipal e o do delegado da Polícia Civil, Carlos Oliveira para assumir como subsecretário de Operações da Ordem Pública, que será criada pelo novo prefeito.

Segundo Paes, os dois novos integrantes têm credibilidade na Secretaria de Segurança e colaborarão com os trabalhos em parceria com o governo estadual no combate à criminalidade na cidade. "O prefeito da cidade deixará de ser um comentarista da segurança pública e passará a colaborar. A prefeitura trabalhará em conjunto com o governo estadual".

O peemedebista listou três ações consideradas por ele fundamentais na segurança: a manutenção dos espaços públicos e melhor iluminação das ruas, as ações sociais em áreas carentes e a fiscalização e combate aos pequenos delitos. Para o prefeito eleito os novos escolhidos terão pela frente, uma difícil tarefa. "Deixei para eles a recomendação de entendermos à necessidade de efetivo na guarda municipal. Esta trabalhará em conjunto com as forças de segurança", disse.

O anúncio foi feito nesta manhã, no gabinete de transição na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em Botafogo, zona Sul do Rio de Janeiro.

Atualmente a guarda municipal dispõe de 5,2 mil homens, mas o futuro prefeito diz que será realizada uma análise da necessidade de aumento do efetivo e também a possibilidade de fornecer aos guardas armas não letais. Sobre a questão de passá-los de celetistas à função de estatutário, Paes confirmou que a Procuradoria Geral do Município (PGM) fará um estudo sobre a viabilidade no primeiro ano de governo.

Perfil
O tenente-coronel Ricardo Pacheco Ricardo Pacheco já comandou o 19º Batalhão de Polícia Militar (BPM) em Copacabana e é atualmente está à frente do 12º, em Niterói. Ele foi um dos idealizadores da operação "Copabacana", que tinha como objetivo combater a desordem pública no bairro.

Já o delegado da Polícia Civil, Carlos Oliveira há oito anos é titular da delegacia de Repressão à Armas e Explosivos e já prestou cursos na Secretaria Nacional de Segurança Pública e na Organização das Nações Unidas (ONU).


Especial para Terra