Rio de Janeiro (RJ)

Segunda, 3 de novembro de 2008, 19h45 Atualizada às 20h39

Paes: revitalização do porto será feita com parceria privada

  • Notícias

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, informou que o projeto de revitalização da zona portuária da capital fluminense será realizado em parceria com a iniciativa privada.

Segundo Paes, o plano de revitalização é da competência de uma comissão ministerial e esse grupo é secretariado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O modelo prevê uma parceria público-privada, já que muitos imóveis existentes na região pertencem ao governo federal e o financiamento da obra seria privado.

O papel da prefeitura será o de promover a redefinição dos padrões urbanísticos da área.

"A União é dona de boa parte dos imóveis ali. A prefeitura entra com a redefinição dos parâmetros urbanísticos, ou seja, aquilo que pode ser construído e aquilo que não pode ser construído", defendeu.

Ainda segundo o prefeito eleito, será também criada uma sociedade que vai dispor de uma quantidade de bens suficientes para financiar o projeto. "Alguns valores anunciados recentemente pela imprensa não são valores fechados e o aporte não é de recursos públicos", explicou.

Estratégia
Paes observou que existe um conjunto de iniciativas possíveis ao longo de toda a zona portuária, que é a área compreendida entre a estação da Leopoldina e o Píer da Praça Mauá, mas que é preciso estabelecer prioridades para que algumas ações saiam do papel.

"A nossa idéia é identificar algumas áreas prioritárias e iniciar o processo. O que não dá mais é a zona portuária não ter a sua revitalização, o que já acontece em outras cidades do mundo e já aconteceu em cidades brasileiras e que, infelizmente, aqui no Rio não tem acontecido", disse.

Paes fez o anúncio depois de reunir-se com o diretor de Inclusão Social e Crédito do BNDES, Élvio Gaspar.

De acordo com o prefeito eleito, o encontro serviu para que a futura administração tomasse conhecimento do que precisa ser feito para que o projeto se torne uma realidade.


Redação Terra