Porto Alegre (RS)

Domingo, 26 de outubro de 2008, 20h32 Atualizada às 22h04

Fogaça passa mal devido ao calor em comitê lotado

Fogaça chegou a passar mal devido ao calor e ao grande número de pessoas no local
Fogaça chegou a passar mal devido ao calor e ao grande número de pessoas no local
Nabor Goulart/Futura Press

Cristian Costa
Direto de Porto Alegre

O prefeito reeleito de Porto Alegre, José Fogaça (PMDB), passou mal, pouco antes das 20h, durante o discurso para comemorar a vitória, no comitê central do partido, devido ao calor e ao grande número de pessoas no local. Fogaça chegou a parar o discurso e disse que continuaria do lado de fora. O equipamento de som teve alguns problemas, mas, pouco depois, Fogaça voltou a falar à militância, em cima de um carro de som.

Fogaça agradeceu aos eleitores. "É um prazer e uma honra administrar a cidade mais bela do Brasil." Fogaça venceu, com 94,75% dos votos apurados, o segundo turno das eleições municipais e foi reeleito prefeito com 58,99%. É o primeiro caso de reeleição na prefeitura da capital gaúcha. A candidata petista, Maria do Rosário, obteve 41,01% dos votos válidos.

Acompanhado do senador Pedro Simon (PMDB-RS), Fogaça disse que era dele a "culpa" por ele ter chegado à prefeitura municipal. "Há 30 anos este homem que está aqui ao meu lado disse que era para mim me candidatar e em quatro anos estaria de volta à sala de aula. Estou até hoje na vida pública", afirmou.

O prefeito reeleito disse que foi um candidato a serviço de um projeto político. "Projeto este que precisava de outros partidos para apoiá-lo. E tivemos, tanto no primeiro turno, como no segundo", disse. "Existem muitas mãos nesse projeto que construímos ao longo de três anos e 10 meses à frente da prefeitura de Porto Alegre."

De acordo com Fogaça, nessa eleição foram terminantemente derrotados aqueles candidatos que apostam apenas no personalismo para vencer uma eleição. "O que vence uma eleição são projetos políticos", disse.

O vice-prefeito eleito, José Fortunati (PDT), observou que a vitória de Fogaça é o respaldo da população para administração municipal. "Fizemos muitas obras como o camelódromo, sem nos esquecer de investir em projetos sociais. Nosso grande desafio agora é ampliar projetos de inclusão social em áreas como saúde e educação."

Já no carro de som, na segunda parte do discurso, Fogaça afirmou que sua vitória significou o fim de um preconceito que existia na capital gaúcha, que nunca tinha reeleito um prefeito. "Quebramos essa escrita graças à nossa militância aguerrida, que venceu a eleição usando apenas duas armas, a cabeça e o coração."

Fogaça observou que o jogo político é algo do passado. "O eleitor não quer mais ouvir críticas infundadas e sim propostas concretas", disse. Para o peemedebista, o espírito pluralista, ou seja, aquele que agrega vários partidos numa coligação é o novo sinal da democracia.


Especial para Terra