São Paulo (SP)

Domingo, 26 de outubro de 2008, 18h47 Atualizada às 00h36

Eleitor é preso por desacato contra juiz eleitoral

  • Notícias

Daniel Biasetto
Direto De São Paulo

O eleitor Maurício Sanger foi preso por desacato a autoridade por determinação do juiz eleitoral Mauri Ângelo Bottesini, no colégio Batista Brasileiro, na zona oeste da cidade. Sanger reclamou quando sua mulher, Ida Sanger, foi impossibilitada de votar por conta de uma artrose no joelho. De acordo com o aposentado, ela não tinha condições de subir as escadas até a sessão e pediu para o juiz local que ela fosse recebida em uma sessão especial.

Aos gritos, questionou e chamou de "omisso e irresponsável" o magistrado, que determinou sua prisão dele por um policial militar. Conduzido até o 23º Distrito Policial, Sanger admitiu ter se exaltado, mas reclamou que o direito de sua mulher votar foi cerceado. "Isso é falta de consideração da Justiça Eleitoral, que não avalia as condições dos locais de votação. Isso é revoltante. Já havia reclamado do primeiro turno", afirmou.

Na delegacia, foi feito um boletim de ocorrência pelo delegado João Aparecido Costa e, a pedido do juiz eleitoral, apenas uma carta circunstancial será lavrada. De acordo com Bottesini, a dificuldade de acessibilidade de idosos aos locais de votação tem sido o mais recorrente problema das eleições municipais.

Para que o eleitor possa mudar a sua sessão para um local especial, é necessário solicitar alteração com 150 dias de antescedência numa zona eleitoral.


Especial para Terra