Macapá (AP)

Domingo, 26 de outubro de 2008, 16h34 Atualizada às 17h19

Governador compara eleição do Amapá com a dos Estados Unidos

  • Notícias

O governador, Waldez Góes (PDT), votou na Escola Estadual Zolito Nunes no Amapá
O governador, Waldez Góes (PDT), votou na Escola Estadual Zolito Nunes no Amapá
Mário Tomaz/Especial para Terra

Mario Tomaz
Direto de Macapá

O governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), fez uma comparação da campanha amapaense com o pleito nos Estados Unidos, onde o povo norte-americano, como o amapaense, segundo ele, não vive de pressões e muito menos pela força, uma vez que já mostrou isso na eleição passada. Agora, confirma com o pleito municipal. "Os Estados Unidos, que sempre pensou que poderia controlar o mundo, está vendo o povo acreditar em uma pessoa que defende democracia e desenvolvimento. Aqui também é assim. A gente precisa lutar pelo nosso direito e não agredir, perseguir e denegrir a imagem de ninguém", reforçou.

As declarações foram dadas na Escola Estadual Zolito Nunes, onde vota. O governador chegou acompanhado de vários militantes do partido, bem diferente do primeiro turno, quando esteve acompanhado apenas do filho João Pedro. Waldez levou apenas 10 segundos para votar e depois concedeu entrevista coletiva à imprensa.

Waldez declarou, ainda, que se sente bem melhor nestas eleições porque conseguiu mostrar que seu aliado Roberto Góes cresceu ao longo da campanha e vive uma grande expectativa de vitória. "A gente sente quando conversa com a comunidade e sabe que ela tem interesse em mudar e dar oportunidade ao PDT estar na prefeitura", comentou.

Sobre os diversos processos movidos contra o Governo do Amapá para impedir a realização de programas sociais, disse que são conseqüências do pleito e preferiu não lembrar um fato tão negativo para a comunidade mais carente.

O governador finalizou, dizendo que nos últimos 20 anos o Amapá cresceu administrativamente e politicamente. "E a justiça eleitoral é presente e tem feito o seu papel para impedir os problemas eventuais da eleição. Conta com colaboradores sérios, dedicados e voluntários que promovem a cidadania", declarou.


Especial para Terra