Belo Horizonte (MG)

Sábado, 25 de outubro de 2008, 11h09 Atualizada às 12h42

BH: campanha tensiona relação entre bancada do PMDB e Aécio

  • Notícias

O apoio declarado do governador Aécio Neves (PSDB) a Márcio Lacerda (PSB) em Belo Horizonte em uma aliança informal com o PT e uma suposta pressão exercida pelo Palácio da Liberdade sobre setores de imprensa da capital gerou nos últimos dias muitas queixas dos aliados do candidato Leonardo Quintão (PMDB). Na Assembléia Legislativa do Estado (ALMG), os peemedebistas se declaram independentes, mas tradicionalmente apóiam os projetos de interesse do governo de Aécio. O distanciamento após o pleito de amanhã pode ser maior.

"Nossa coligação na última eleição para o governo do Estado foi com o PT. Nossa posição aqui (na Assembléia) é de independência e não temos nenhum cargo nem ocupamos secretarias de governo. Só votamos e votaremos o que interessa ao povo mineiro", afirmou o deputado estadual Adalclever Lopes (PMDB), durante entrevista coletiva em que aliados de Quintão reclamaram da tentativa do governo estadual de cercear o debate político na ALMG.

"Há uma ordem do Palácio para que essa Casa se cale. Não houve reuniões ordinárias na terça, quarta e quinta. A Assembléia fechou para balanço do mensalão", criticou Lopes, em alusão ao suposto envolvimento de Lacerda no esquema de corrupção, negado pelo socialista.

No início da semana, o também deputado estadual Sávio Souza Cruz (PMDB), coordenador da campanha de Quintão, já havia alertado para a possibilidade de um estremecimento na relação da bancada com o governo de Minas. "Quem apanha dificilmente esquece, e o PMDB tem apanhado muito", ressaltou.

Em tom conciliador, o governador Aécio Neves disse que recebe "com naturalidade" críticas de peemedebistas na reta final da campanha, mas reiterou argumentos pró-Lacerda. "Eu não tenho nada de pessoal contra Quintão, mas um convencimento de que candidatura de Márcio (Lacerda) representa avanços para BH", defendeu.

A possibilidade de um tensionamento na relação com o PMDB mineiro foi minimizada pelo governador tucano. "Não acredito. A bancada do PMDB, em sua ampla maioria, tem dado apoio aos projetos do governo".

Apesar das críticas feitas por seus aliados, pessoalmente, Quintão evita críticas indiretas ao governador e se declara amigo de Aécio. Uma estratégia para tentar tirar proveito da popularidade do governador, reeleito com quase 80% de votos válidos para o cargo.


Agência Brasil