Macapá (AP)

Sábado, 25 de outubro de 2008, 01h33 Atualizada às 02h22

AP: cobranças marcam debate entre Góes e Capiberibe

  • Notícias

Alcinéa Cavalcante
Direto de Macapá

Os candidatos à prefeitura de Macapá (AP), Roberto Góes (PDT) e Camilo Capiberibe (PSB), participaram nessa sexta-feira do debate produzido pela TV Amapá, afiliada da Rede Globo. O debate é o último antes do segundo turno das eleições, que acontece neste domingo. Na maior parte do tempo, os dois concorrentes criticaram e fizeram cobranças das administrações anteriores dos partidos dos oponentes.

Roberto Góes, candidato do PDT, insistiu em questionar o que o PSB fez quando foi governo no Amapá, no período de 1995 a 2002. "O PSB não construiu uma obra sequer quando esteve no governo", acusou Góes.

Em resposta, Capiberibe disse que o interessante é o que o PSB fazer na prefeitura."Candidato, pare de olhar pelo retrovisor e vamos discutir propostas para a prefeitura de Macapá", pedia Capiberibe, que em alguns momentos chegou a chamar o adversário de mentiroso.

"Não minta, candidato, veja este cenário que mostra grandes obras do PSB como o Sambódromo e o Trapiche, dois importantes pontos turísticos do Estado", destacou o socialista, ao se referir às imagens do cenário onde ocorria o debate. Ele também destacou escolas, praças e postos de saúde como obras do seu partido no governo do Amapá.

O debate seguiu em um clima tenso, tendo como pauta as críticas entre os candidatos. Góes culpou o governo do PSB pela falta de água, alegando que a tubulação trocada na década de 90, que era para durar 30 anos, já não prestava. Ele disse também que, se eleito, irá colocar uma ambulância em cada posto de saúde.

Em resposta, Capiberibe disse que o PDT já está no governo há seis anos e não fez a manutenção da tubulação de água. Sobre as ambulâncias, o socialista lembrou que das seis do Samu, que estão sob a responsabilidade do governo do PDT, apenas duas funcionam.

Em relação a propostas, os dois se assemelharam. Góes e Capiberibe prometeram colocar os postos de saúde para funcionar, resolver o problema do trânsito, garantir merenda escolar e fazer concursos públicos.


Especial para Terra