Cuiabá

Segunda, 20 de outubro de 2008, 06h59 Atualizada às 06h58

Santos e Mendes trocam acusações em debate em Cuiabá

  • Notícias

Juliana Michaela
Direto de Cuiabá

O debate promovido na noite deste domingo, pela TV Record em Cuiabá teve inúmeros momentos de troca de farpas entre os candidatos no segundo turno, Wilson Santos (PSDB) e Mauro Mendes (PR).

Mendes questionou Santos que teve que entrar na Justiça para conseguir dados da prefeitura de Cuiabá e até hoje não recebeu a documentação. E questionando o porquê dos dados não serem entregues, Mendes acusou Santos de realizar caixa 2, baseando-se na decisão proferida na semana passada do juiz federal Julier Sebastião de que foram feitos depósitos de R$ 10,4 mil na conta de Silvia Lousado. Wilson Santos respondeu que no que ano de 1997 se beneficiou da lei complementar das parcerias-públicos e privadas, criada na gestão anterior, citando que nos dois primeiros anos teve como parceiros os supermercados Big Lar e Modelo.

"Foram feitas reforma de praças e a aquisição de bens para a melhoria da cidade com a utilização da lei-complementar. Silvia trabalhava na prefeitura naquela época, o recurso foi para a conta dela e utilizado para comprar móveis do escritório de representação que existia em Brasília. O dinheiro não saiu dos cofres públicos, mas da empresa parceira", respondeu o prefeito mostrando documentos garantindo que não houve caixa 2.

No quarto bloco, o candidato à reeleição, Wilson Santos (PSDB) tentou colocar numa "saia-justa", Mauro Mendes ao questioná-lo se sabia a diferença entre o lambadão e o rasqueado cuiabano. Mendes começou a rir, já que esteve sério durante todo programa e disse que era uma de suas "pegadinhas".

"Olha prefeito, eu conheço muito a cultura cuiabana. Inclusive danço os dois, o senhor quer que eu te chame para dançar? Vou te mostrar no salão de dança. São demonstrações de nossa cultura e da música. O prefeito tem que conhecer muito mais do que isso, não tem que ser especialista em nada. Para isso, ele tem que formar equipe, ter bons profissionais, saber planejar, formar metas. Eu faço isso há 20 anos e o senhor quando entrou nunca tinha administrado. Isso, eu faço há 20 anos", respondeu Mauro Mendes, sem dizer a diferença entre os dois tipos de dança.

Saúde
Um dos temas que foi abordando inúmeras vezes no debate, foi sobre a questão da saúde na capital de Mato Grosso. Mauro Mendes questionou Wilson Santos de dizer nos seus programas que existem 63 postos do Programa de Saúde da Família (PSF), enquanto que no DataSus há registro de 31.

Santos respondeu que na sua gestão instalou 39, e começou a citar cada uma deles, falando inclusive o endereço. Mendes retrucou dizendo que se existia os 63 PSFs, então porque não estavam cadastrados, pois sem o cadastro o município poderia estar perdendo em torno de R$ 4 milhões.

"A máquina pública não funciona como a máquina privada. Não estamos tendo nenhuma perda. Com mais 40 unidades do PSF chegaremos a 100% de cobertura na cidade", respondeu Santos.

Um dos questionamentos abordados que gerou conflitos entre os candidatos foi sobre o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá. Mauro Mendes destacou que no primeiro turno, iria apenas fazer um remanejamento dos gastos, contratar mais médicos e medicamentos. "Analisando com alguns técnicos, pretendo construir um novo e moderno hospital. O Pronto Socorro tem uma série de problemas estruturais", disse Mendes.

Santos falou que conseguiu quase R$ 5 milhões para maior reforma no hospital e que o Pronto Socorro tem mais de 26 anos e que apenas não iniciou porque está concluindo as reformas nas policlínicas dos bairros Verdão e Planalto.

Santos apresentou no ar o plano de governo de Mauro Mendes e falou que o adversário estava plagiando a sua proposta da construção de um hospital universitário. "Isso é do meu plano de governo! De onde você vai tirar o dinheiro?", perguntou Santos.

O candidato do PR respondeu que o tucano estava com uma síntese do seu plano de governo, e que o Hospital Universitário será construído com recursos do governo federal e estadual.

Wilson Santos retrucou dizendo que durante toda a campanha falou que irá construir um construir um hospital universitário. "Quem vai construir um hospital é a Universidade Federal de Mato Grosso, eles que irão licitar a obra e você está pegando carona dizendo que vai ser você", respondeu.

Mendes criticou a gestão do Programa Reluz feita por Wilson Santos, no qual custou as luminárias no valor de R$ 539,00, o que representava uma TV de 29 polegadas em cada poste, e que se comparar com outras capitais a diferença é de quase R$ 10 milhões a mais. "Recebi dados da Eletrobrás que em Goiânia custou R$ 349 e porque em Cuiabá foi R$ 539? Só porque é verdinha? É praticamente uma TV de 29 polegas pendurada num poste", indagou Mauro Mendes.

Wilson Santos rebateu dizendo que tem que ver em que época foi orçada as luminárias, acrescentando que foram colocadas 46,6 mil unidades na cidade. "A grande reclamação na cidade quando assumi era a falta de iluminação. Coloquei a mala nas costas e fui atrás de investimentos, somente no último ano que consegui", disse.

Mendes questionou que quer saber o quanto foi gasto por isso e falou que irá na prefeitura pegar os documentos na segunda-feira, às 10h. O prefeito respondeu que iria recebê-lo prontamente e entregar os documentos, lembrando que não é só a luminária, mas a braçadeira, o reator, além da mão de obra da prefeitura.

Ao final do programa, Mauro Mendes garantiu que irá pegar o documento amanhã na prefeitura. Santos falou que irá recebê-lo, ressaltando que ele deve procurar a empresa Rede Cemat que realizou a troca das luminárias, já que foi algo realizado pela empresa e não a prefeitura.


Especial para Terra