Belém (PA)

Segunda, 20 de outubro de 2008, 00h54 Atualizada às 10h02

Belém: debate é acirrado e tem 6 direitos de resposta

 Saúde e coligações foram temas das discussões
Saúde e coligações foram temas das discussões
Fátima Bernardo/Especial para Terra

Lucy Silva
Direto de Belém

Os candidatos Duciomar Costa (PTB) e José Priante (PMDB) trocaram ofensas no segundo debate do segundo turno das eleições municipais de Belém, no Pará, promovido pela TV Record. Temas como saúde e coligações provocaram discussões acirradas e ofensas pessoais. Cada candidato teve três direitos de resposta concedidos.

O programa teve cinco blocos, dos quais dois foram dedicados a perguntas de jornalistas, dois a perguntas entre os candidatos e o último às considerações finais. As discussões sobre educação, saúde e coligações para o segundo turno foram as mais exaltadas.

O candidato Duciomar Costa acusou a emissora de favorecer Priante nos primeiros questionamentos dos jornalistas. Um deles se referia ao tema educação. "Segundo dados do Ministério da Educação, Belém teve o terceiro pior desempenho na saúde básica e nas séries iniciais ficou com o primeiro lugar, de que forma isso pode ser melhorado?", perguntou a jornalista Narah Bandeira ao candidato peemedebista.

Para Duciomar Costa, a pergunta teria aberto espaço para uma crítica que havia sido feita a ele em debates passados. Priante respondeu: "infelizmente tenho que confirmar esses dados. A educação foi tratada com profundo desrespeito na atual administração. Falta gestão pública, um óculos melhor para ver a cidade de forma integrada".

Costa disse em sua réplica que "pelo que estou percebendo as perguntas já vem redondinhas, mas esses dados não são corretos. Estão tentando induzir o eleitor". O mediador interviu: "antes de encerrar o bloco queremos fazer um esclarecimento. A TV Record preza pela responsabilidade e as perguntas foram elaboradas por jornalistas que prezam sua profissão".

Questionado sobre os serviços do Sistema Único de Saúde (SUS), Costa afirmou que "não é fácil consertar de uma hora pra outra o que há tanto tempo vem sendo destruído e quero parabenizar a governadora (Ana Julia Carepa) por ter demitido o irmão do meu adversário da Secretaria de Saúde".

José Priante rebateu: "o senhor e sua família quando tem uma dorzinha vão se tratar em São Paulo. Lave a boca quando falar no meu irmão. O senhor tentou fazer Medicina e não conseguiu, mas vou lhe dar uma sugestão - vai terminar o seu mandato, se matricule em uma faculdade".

O peemedebista teve direito de resposta e disse lamentar que o candidato Costa tenha colocado a família dele no debate. "Respeite minha família, meu irmão ficou cinco meses no governo. O senhor é que tem que pedir desculpas pelo que não fez em seu governo", disse.

Costa também teve direito de resposta concedido e afirmou: "quero pedir serenidade e respeito aos telespectadores. Não adianta o senhor ficar irritado".

O petebista questionou o adversário sobre supostos acordos que teria feito com seus aliados. De acordo com ele, Priante teria oferecido 30% do governo para o PT, 30% para o PPS e outros 30% para o seu vice. Priante negou. "Isso é uma leviandade. Não fiz acordo nenhum com quem está me apoiando. Ele me apoiaram porque querem mudança. O senhor é que corre à boca muída que quer voltar ao Senado e vai entregar a prefeitura ao seu vice", afirmou.

Ao final do debate, os dois candidatos avaliaram o programa como positivo. "Foi uma revelação. Na seqüencia dos debates as pessoas acabam formando opinião e estou bastante otimista", falou Priante.

O mesmo avaliou Duciomar Costa. "Foi posisito, foi muito bom para contribuir para que o eleitor possa escolher seus candidatos", disse.


Redação Terra