Salvador (BA)

Domingo, 19 de outubro de 2008, 22h48 Atualizada às 00h31

Salvador: candidatos trocam acusações em debate

  • Notícias

No penúltimo debate do segundo turno entre os candidatos à prefeitura de Salvador (BA), realizado pela TV Record, João Henrique (PMDB) e Walter Pinheiro (PT), responderam à perguntas sorteadas pelo mediador e puderam se questionar nos blocos seguintes. O encontro iniciou com atraso devido a problemas técnicos e a troca de ausações e responsabildades dominou o debate.

O atual prefeito, João Henrique, começou falando sobre as conquistas de seu governo. Na seqüência, o petista Walter Pinheiro recorreu à experiência como deputado federal e sua proximidade com o presidente Lula.

No primeiro tema, saúde, os candidatos iniciaram a troca de farpas. O peemedebista chamou a atenção dos eleitores quanto às críticas que estava recebendo de seu adversário.Na questão alianças, censurou o PT pôr ter participado durante 40 meses de seu governo, com quatro secretarias e mais de 200 cargos em comissão. Pinheiro respondeu que não o atacou, quis apenas reivindicar questões de incompetências administrativas que levam ao atraso.

Mais uma vez, Pinheiro criticou o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU), aprovado na gestão de João Henrique. Ele afirmou que falta um conselho de representantes para participar das negociações sobre os projetos para o povo.

Segundo bloco
No segundo bloco, fazendo perguntas entre si, João questionou Pinheiro sobre a participação do PT em sua gestão: "Por que na época não havia críticas?". Pinheiro respondeu que contribuiu muito para o crescimento do governo municipal. O petista enumerou as ações como a viabilização do Samu e verba para pagar o funcionalismo.

Walter Pinheiro respondeu como avaliava a postura do PMDB no governo estadual. Ele afirmou que Salvador precisa de um governo que faça parcerias.

Empregos
No terceiro bloco, Pinheiro indagou sobre a falta de qualificação dos 370 mil desempregados que Salvador possui. O atual prefeito disse que seria impossível em três anos e meio requalificar todos, mas disse que possui um programa de qualificação.

O petista acusou seu adversário de mudar de opinião com freqüência: "a opinião muda conforme o vento". O prefeito advertiu três vezes Wagner pela falta da construção de um estádio de futebol para o time do Bahia poder jogar. Obra que seria responsabilidade do governo estadual, administrado pelo PT.

Considerações finais
O último bloco foi utilizado para os políticos fazerem suas considerações finais.

Pinheiro fez um balanço de todos os assuntos abordados durante o debate e enumerou os problemas existentes em Salvador. "Talvez o Bahia estivesse jogando há muito tempo, se o prefeito tivesse sido mais ágil", disse. Chamou o atual prefeito de "ingrato" pôr não levar em conta a contribuição do PT na administração municipal.

João Henrique seguiu a mesma linha e fez uma reflexão sobre os assuntos debatidos. Ele também ressaltou o lado bom do que foi feito pelo seu governo e criticou a falta de policiamento, que, segundo ele, seria responsabilidade do governo estadual, administrado pelo partido do adversário.


Redação Terra