Rio de Janeiro (RJ)

Sábado, 18 de outubro de 2008, 17h32 Atualizada às 17h31

José Dirceu contesta motivo para saída de Gabeira do PT

  • Notícias

A decisão do hoje candidato a prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Fernando Gabeira (PV), de sair do PT, em 2003, ainda motiva polêmica. A atitude é atribuída a um suposto descaso do ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que teria se atrasado em audiência com Gabeira, então deputado federal petista. Dirceu tem outra versão, segundo carta que enviou ao Jornal do Brasil.

Em sua coluna Sete Dias, o jornalista Augusto Nunes, diretor editorial do JB, escreveu sobre os candidatos que disputam o segundo turno no Rio, o deputado federal Fernando Gabeira e o ex-deputado Eduardo Paes, e narrou o episódio onde Gabeira teria ficado esperando por Dirceu por uma hora. Segundo Dirceu, a versão apresentada no texto de Nunes não condiz com a verdade.

"Vou repor a verdade de novo, embora já o tenha feito inúmeras vezes antes. Não é verdade que a reunião fosse para discutir a saída ou não do deputado Fernando Gabeira do PT. Era para debater a política ambiental do governo", afirmou. "É fato que atrasei, mas não é verdade que não o recebi. Recebi a todos e instalei a reunião entre Gabeira, a ministra, e todo o primeiro escalão do MMA, com a presença do dirigente máximo do PT. Só então solicitei autorização para me retirar. Eu ainda era o articulador político do governo e estava sendo chamado à Câmara dos Deputados", disse.

Segundo o ex-ministro, Gabeira não se opôs. "Ele podia protestar pela minha saída da reunião, mas não deixar fixar-se essa versão de que eu não o recebi ou o deixei esperando por horas. Essa não é a versão correta, embora lamentavelmente, e por mais que eu a tenha retificado, é a que prevalece", completou Dirceu.

Veja o trecho contestado por Dirceu
"Há limite para tudo, lembrou o deputado Fernando Gabeira, em outubro de 2003, aos jornalistas que aguardavam no saguão do Palácio do Planalto o fim da conversa que não houve. Estava lá desde às 11 da manhã a convite do chefe da Casa Civil, José Dirceu, que pretendia convencê-lo a ficar no PT. Gabeira queria só avisar que, como os desvios do partido haviam passado do limite, seria um ex-petista na manhã seguinte. Uma hora depois, o anfitrião nem dera sinal de vida. Deselegância também tem limite. Sem esperar por Dirceu, Gabeira despediu-se da secretária, da sala e do PT. Tudo tem limite".


Jornal do Brasil