Florianópolis (SC)

Sexta, 17 de outubro de 2008, 10h27 Atualizada às 10h54

Ataques marcam debate em Florianópolis

Debate teve troca de acusações e muita tensão
Debate teve troca de acusações e muita tensão
Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

Os candidatos a prefeitura de Florianópolis, Dário Berger (PMDB) e Esperidião Amin (PP) trocaram fortes acusações durante o primeiro debate do segundo turno, realizado na noite desta quinta-feira na TVBV, afiliada da Rede Bandeirantes.

Temas como a aposentadoria vitalícia de Amin como ex-governador de Santa Catarina e os contratos da empresa de vigilância privada de propriedade da família de Berger proporcionaram um tom mais duro entre os candidatos logo no primeiro bloco. O clima tenso e as provocações entre os dois ocorreram em todos os outros quatro blocos do debate, que durou pouco mais de duas horas.

Logo no início do programa, o peemedebista acusou o adversário de receber supostos R$ 500 mil ao ano somente em aposentadorias vitalícias como ex-senador e ex-governador do Estado. "Eu amasso barro, trabalho há anos para construir meu patrimônio e não tenho vergonha disso. Ele foi senador uma vez, governador e ainda ganha como aposentado", disse Berger. "É fácil falar do que os outros ganham, quando se recebe aposentadorias volumosas todos os meses".

Amin rebateu que as aposentadorias também seriam recebidas por políticos do PMDB e que seria um direito criado por lei. "Esse é um direito e não fui eu quem criou. Esse benefício foi estabelecido para que os ex-detentores de mandato não façam contratos com o poder público, como ele faz", disparou, citando que as empresas de segurança privada de Berger teriam contratos de R$ 125 milhões com o governo estadual. "Quanto mais insegura a cidade for, mais a empresa dele estará lucrando. Ele mama no governo".

No segundo e terceiro blocos, os candidatos amenizaram o tom pesado da abertura do programa, mas não deixaram de trocar farpas. O progressista chegou a sugerir que o adversário comprasse um GPS para se localizar em Florianópolis, enquanto o atual prefeito disse estar sendo vítima de ataques pessoais na campanha.

Entre as propostas, Berger prometeu construir policlínicas 24 horas e obras para solucionar problemas de trânsito. Amin, por outro lado, destacou que irá reduzir as tarifas de ônibus e incentivar transportes alternativos em Florianópolis.

O último bloco voltou a registrar ataques mais contundentes entre os candidatos. Amin chamou o adversário de "ator" e chegou a ironizar as propostas do peemedebista. "Ele promete sem saber o que está falando", disse. "Não há compromisso com a cidade". "O Amin fala tanto sobre minha administração que estou acreditando que ele votará em mim", rebateu Berger.

Este foi o primeiro dos três debates programados entre Dário Berger e Esperidião Amin na campanha do segundo turno. Os próximos estão marcados para os dias 19 e 24 de outubro em emissoras locais.


Especial para Terra