Salvador (BA)

Sexta, 17 de outubro de 2008, 00h40

Salvador: João Henrique e Pinheiro fazem confronto direto

  • Notícias

Vitor Pamplona
Direto de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU), transporte público e alianças políticas foram os principais pontos de confronto entre os candidatos à prefeitura de Salvador no primeiro debate do segundo turno, realizado pela Rede Bandeirantes na noite desta quinta-feira.

No encontro, o deputado federal Walter Pinheiro (PT) e o prefeito João Henrique (PMDB), que concorre à reeleição, protagonizaram um embate direto, até então inédito na campanha. Apesar da troca constante de críticas e acusações, os dois focaram sobretudo propostas de governo e expuseram projetos de forma comparativa.

Os candidatos responderam perguntas sorteadas pelo mediador do debate no primeiro bloco, mas também puderam questionar o adversário nos blocos seguintes.

Aproveitando uma questão sorteada, Pinheiro criticou duramente o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU), aprovado na gestão de João Henrique. "A aprovação do plano diretor favoreceu apenas os ricos de Salvador, esquecendo-se das moradias em bairros populares", disse o petista.

Em contrapartida, João Henrique alegou que partidários de Pinheiro contribuíram para a elaboração do PDDU. Na tréplica, o petista afirmou que as contribuições não haviam sido bem aproveitadas no PDDU.

Os projetos apresentados pelos candidatos para expansão do transporte público na capital baiana também receberam atenção. João Henrique criticou a proposta de Pinheiro de adotar o "bonde moderno" em Salvador. "O bondinho de Pinheiro ocupa o mesmo espaço de carros, ônibus e táxis. Nós estamos fazendo vias exclusivas, que aumentam a velocidade média dos ônibus", afirmou o prefeito.

Na réplica, Walter Pinheiro argumentou que seu projeto procura dar sentido ao metrô de Salvador, segundo ele um "projeto equivocado" feito na adminstração de João Henrique.

Farpas
Durante o debate,os prefeituráveis insistiram ainda em comparar os apoios que tiveram no segundo turno. Pinheiro questionou João Henrique sobre o valor da aliança com o deputado federal ACM Neto (DEM), que decidiu apoiar o prefeito após ficar em terceiro lugar no primeiro turno.

Na resposta, o peemedebista devolveu na mesma moeda. "Acho que ACM Neto e Paulo Souto têm muito mais a contribuir do que o radialista Raimundo Varela, o bispo Márcio Marinho ou Antônio Imbassahy, que acabou o primeiro turno com 8% dos votos. A contribuição de Neto é com projetos. Creio que são contribuições melhores do que os apoios dados ao meu adversário". Pinheiro argumentou que a atitude do PMDB tentava apenas reeditar "a velha política da Bahia".

Após ser acusado de só ter começado a trabalhar quatro meses antes das eleições, João Henrique perguntou Pinheiro o que o PT, que deixou a prefeitura este ano, ficou fazendo em sua administração por 40 meses. "Foi só para ocupar cargos? Só para boicotar minha administração e lançar sua candidatura?", questionou.

Pinheiro respondeu com outro ataque. "Não é um problema dos secretários do PT o fato de o prefeito não ter construído o centro de capacitação de trabalhadores para atacar a questão do desemprego".

Após pouco mais de duas horas de confronto, o debate deixou a impressão de que a disputa pela prefeitura de Salvador ficou ainda mais acirrada.

A expecativa das duas campanhas é de que sejam divulgadas, nos próximos dias, as primeiras pesquisas do segundo turno entre Pinheiro e João Henrique, que irão revelar a temperatura da corrida eleitoral na capital baiana.


Especial para Terra