Eleições 2008

Terça, 14 de outubro de 2008, 21h55 Atualizada às 21h55

Em crise, PDT oficializa apoio a Berger em Florianópolis

  • Notícias

Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

O anúncio realizado nesta terça-feira por líderes de que o PDT irá aderir à campanha de Dário Berger (PMDB), no segundo turno de Florianópolis, gerou um "racha" no partido.

O advogado Tico Lacerda, que disputou o primeiro turno como candidato a vice na chapa de Ângela Albino (PCdoB), criticou a decisão dos líderes e alegou não ter sido ouvido. Ele declarou apoio ao adversário de Berger, o ex-governador Esperidião Amin (PP) e garantiu que pelo menos seis vereadores estariam com ele.

"Não fui ouvido e optei por não estar ao lado do prefeito por tudo o que ocorreu na campanha", disse. "Presenciei os ataques feitos pelo PMDB à candidata Ângela e não poderia subir no mesmo palanque alguns dias depois".

Lacerda, que é neto do ex-governador catarinense Jorge Lacerda, morto em um acidente aéreo, afirmou não temer uma possível punição dos líderes do PDT.

"Ninguém me consultou e eu fui para as ruas pedir votos e dar a cara a tapa", disse. "Vou esperar para ver se existe alguma punição, mas minha decisão de apoiar Amin já está sacramentada".

Os líderes do PDT e alguns dos candidatos a vereador nas últimas eleições, reuniram-se com Dário Berger e anunciaram o apoio ao peemedebista no final da tarde.

"O prefeito se comprometeu a executar alguns projetos que são sonhos do PDT em Florianópolis, como ampliação de escolas em tempo integral nas áreas de risco", disse o presidente do diretório municipal Luis Viegas.

"Nos reunimos e achamos que o melhor para a legenda era apoiar o PMDB, que também está na base de sustentação do governo Lula", continuou o líder do PDT.

Sobre a dissidência de Lacerda e candidatos a vereador, Viegas afirmou que não tomará medidas para punir os integrantes do partido. "Não vamos promover uma caça às bruxas. Se eles, que são líderes, optaram por Amin, acredito que tenham sido movidos pelas emoções da campanha", afirmou.

"Quando se acalmarem, perceberão que a aliança com Berger é a mais plausível para a nossa legenda", finalizou.


Redação Terra