Vitória (ES)

Segunda, 6 de outubro de 2008, 13h41 Atualizada às 14h16

PMDB elege mais, mas PT ganha cidades grandes no ES

  • Notícias

Manaira Medeiros
Direto de Vitória

O PMDB foi o partido que elegeu maior número de prefeitos no Espírito Santo, conquistando 22 prefeituras das 78 existentes. Mas a grande surpresa dessas eleições foi o PT, que venceu em quatro das oito principais cidades capixabas, e alcançou surpreendentes resultados nos mais importantes colégios eleitorais, como Vitória, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim e Colatina.

Além das reeleições do prefeito João Coser na capital e de Helder Salomão em Cariacica, o partido quebrou a hegemonia de dois grupos políticos em Cachoeiro de Itapemirim, que durante 20 anos se alternaram no poder, com a eleição inesperada de Carlos Casteglione. Em Colatina, o resultado também foi surpreendente, com a vitória de Leonardo Deptulski, que contava com pouco apoio político.

"O PT teve um importante crescimento nos principais municípios do Estado, apontando para projeções nas eleições de 2010. Mas fica a pergunta: o Coser vai ser o candidato natural ao governo, entregando sua administração a um nome que não é leal a ele, e sim ao governador Paulo Hartung, ou termina o mandato e lança outro candidato? Nesse caso, quem seria esse nome?", indagou o cientista político e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Mauro Petersen.

Para ele, a virada do partido em Cachoeiro de Itapemirim foi espetacular, já que duas semanas antes do pleito a liderança era de Theodorico Ferraço (DEM), que esteve bem à frente do petista durante todo o processo eleitoral. Caso fosse eleito, Ferraço assumiria a prefeitura do município pela quinta vez, e seu adversário Roberto Valadão (PMDB) pela quarta.

O cientista político ressaltou ainda que o domínio do PMDB, que agora tem quase um quarto das prefeituras capixabas, prova que a crise que atingiu o partido há quase três anos, com ameaça de intervenção, chegou ao fim. "As vitórias mostram um partido que agora se reestruturou com a liderança do deputado federal Lelo Coimbra, colhendo bons resultados e com um considerável leque de opções para 2010".

Porém, Mauro acredita que o PMDB está muito preso à figura do governador, e Paulo Hartung não tem comportamento partidário. "É preciso cobrar dele essa postura. Caso contrário, o partido continuará solto, sem a influência necessária de Hartung", finalizou.


Especial para Terra