Vitória (ES)

Domingo, 5 de outubro de 2008, 22h43 Atualizada às 02h33

ES: reeleito, Coser diz que fará de Vitória um exemplo

Manaira Medeiros
Direto De Vitória

O prefeito reeleito em Vitória (SP), João Coser (PT), com 65,03% dos votos válidos contra 31,77% de Luciano Rezende (PPS), agradeceu o apoio dos capixabas e reafirmou que quer tornar a capital um exemplo para o País.

Ao todo, o petista conquistou 119.623 dos votos e Luciano Rezende (PPS), 58.445. Coser foi o primeiro candidato do PT reeleito no País nestas eleições.

"Sei que a reeleição significa ainda mais responsabilidade, mas estou consciente dos desafios pela frente", ressaltou.

O prefeito afirmou que vai priorizar seu programa de governo, dando continuidade a projetos como o metrô de superfície, sua bandeira de campanha, que defende como solução definitiva para o trânsito na capital.

Também agradeceu o apoio do presidente Lula, destacando os resultados conquistados pelo partido não só no Espírito Santo, mas em todo o Brasil.

Coser acompanhou a apuração dos votos no Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES), ao lado da mulher Eliana e dos filhos Carla e Luis Carlos.

Enquanto não foi encerrada a apuração, o petista se disse com o coração apertado, mas esperançoso.

O prefeito foi recebido com aplausos e gritos de comemoração pelos militantes que se aglomeraram em frente ao órgão. Depois do resultado, seguiu junto do povo para a Praia de Camburi, onde uma festa o espera.

Já Rezende afirmou estar feliz com seu crescimento no processo eleitoral. Ele agradeceu os eleitores que confiaram em suas propostas e disse que os 31,77% conquistados fazem com que se sinta ainda mais responsável com a cidade. "O dever foi cumprido", enfatizou.

Ele se disse prejudicado pela divulgação de pesquisa do Instituto Futura, às vésperas das eleições, que o colocou 12% abaixo do índice conquistado hoje nas urnas.

Para Rezende, é preciso fazer uma reflexão sobre o uso comercial das pesquisas eleitorais no Espírito Santo, que apesar de ser uma aferição científica, tem sido usada de maneira antiética.

"Temos um quadro grave de falsidade e desonestidade intelectual que precisa ser combatido. O que fizeram comigo sábado foi uma violência. É necessário fazer uma reflexão sobre o comércio e instrumentalização das pesquisas. Ainda vamos pensar no que fazer", finalizou.


Redação Terra