Goiânia (GO)

Domingo, 5 de outubro de 2008, 19h15

Adolescentes são suspeitos de hackear urna em Goiânia

Os jovens disseram que pretendiam apenas se divertir com a urna
Os jovens disseram que pretendiam apenas se divertir com a urna
Carlos Costa/Futura Press

Márcio Leijoto
Direto de Goiânia

Cinco adolescentes entre 14 e 17 anos de idade foram apreendidos nesta madrugada após furtarem uma urna eletrônica do Colégio Estadual Joaquim Carvalho, no Setor Capuava, em Goiânia (GO). Três dos jovens presos estudam no estabelecimento de ensino. A polícia suspeita que eles pretendiam hackear o equipamento para colocar votos de um candidato a vereador.

O equipamento foi levado para uma casa nos fundos do colégio. No local, os policiais encontraram diversos equipamentos eletrônicos e onze linhas telefônicas que seriam usados para fazer a recarga irregular de créditos para celulares. A residência havia sido alugada há cerca de 15 dias, e, segundo a polícia, era usada pelos jovens para golpes. Os policiais acreditam que os menores sejam hackers.

O grupo entrou na escola por volta de 4h30 da madrugada. A entrada foi facilitada porque nenhuma das portas estava trancada com cadeado. Um policial militar destinado a cuidar das urnas ouviu um barulho e chegou a tempo de ver os jovens fugindo. Na hora, ele conseguiu deter um deles. O menor entregou onde estava o restante do grupo.

Os jovens disseram que pretendiam apenas se divertir com a urna. A polícia militar encontrou panfletos de um candidato a vereador no interior da residência, e suspeita que os menores queriam burlar o sistema eleitoral com o equipamento furtado. O nome do candidato não foi divulgado.

Agentes da Polícia Federal estiveram no local para fazer a perícia da urna e do computador. Eles não comentaram o resultado do que apuraram. Um relatório será encaminhado à Justiça Eleitoral. Os jovens não possuem passagens pela polícia e ficaram à disposição da Justiça Eleitoal, no 1º Batalhão da Polícia Militar de Goiânia.


Especial para Terra