Belém (PA)

Sexta, 3 de outubro de 2008, 04h03 Atualizada às 09h55

Conflitos marcam debate em Belém do Pará

  • Notícias

Lucy Silva
Direto de Belém

Seis candidatos à prefeitura de Belém do Pará participaram do último debate das eleições municipais produzido pela TV Liberal , afiliada da Rede Globo, nessa quinta-feira. O programa realizado na capital paraense foi mediado pela jornalista Critina Serra e teve alguns momentos de tensão, inclusive com troca de ofensas entre candidatos. O candidato João Moraes (PSL) foi excluído do debate por não possuir representação na Câmara Federal.

O clima pesou no estúdio da TV Liberal nas duas horas de duração do programa, que foi dividido em cinco blocos, sendo dois com perguntas determinadas, dois de perguntas livres e o último para as considerações finais.

Uma polêmica ocorrida no debate anterior voltou à tona. O candidato Arnaldo Jordy (PPS) apresentou documentos com a intenção de criticar o concorrente Duciomar Costa (PTB),candidato à reeleição.

"Esse documento que estou lhe passando é a lei orgânica do município que comprova que Belém tem o segundo pior índice de Educação Básica do Brasil e que não foi feito nenhum investimento na educação de jovens e adultos no seu Governo", acusou Jordy.

No debate anterior, Jordy afirmou que renunciaria a sua candidatura em frente às câmeras se não conseguisse provar suas acusações e desafiou o atual prefeito a fazer o mesmo, caso as acusações de Jordy estivessem certas.

Duciomar Costa rebateu dizendo que o candidato do PPS continuava errado. Segundo ele, os números apresentados são do ano de 2005.

A candidata Marinor Brito (Psol) também fez críticas à atual administração. "Todo mundo sabe que a saúde está um caos, o senhor fechou o conselho municipal de saúde, que tinha a função de fiscalizar o bom uso dos recursos públicos, será que ficou com medo de descobrirem alguma coisa?", ironizou.

Duciomar novamente respondeu às críticas."Isso não é verdade, não fui eu quem fechou, foi a Justiça. Se a senhora tem alguma denúncia, cumpra com seu papel de parlamentar e denuncie ao órgão competente".

Irritada com a resposta do prefeito, a candidata do Psol disparou. "Eu cumpro sim com meu papel, tanto que das seis ações que o senhor responde na Justiça, cinco fui eu que denunciei. Há ainda uma ação criminal em andamento, então o senhor vai ter que arranjar dinheiro para pagar advogado".

Assim como os adversários, Valéria Pires Franco (DEM) e José Priante (PMDB) protagonizaram várias discussões durante o programa. A candidata, inclusive, falou da família do concorrente:

"Deixe de lero-lero candidato, olhe nos meus olhos, diga a verdade, porque eu só fui até hoje na Polícia Federal para tirar documento. Não fique escondendo a sua família Barbalho. Temos que prestar contas da nossa vida", criticou.

Nervoso o peemedebista também partiu para a acusação. "Logo a senhora que disse que não queria fazer baixaria. O eleitor também pode consultar dois processos, um da escola Cirandinha e da lanchonete Ice Clube, que a senhora era sócia e que está sendo processada por não pagar imposto", acusou.

Mário Cardoso (PT) também fez referências à família, mas da candidata Valéria. "O seu partido, que tem como representante na Câmara Federal, Vic Pires Franco, cuja atuação tem sido dia e noite com objetivo de caçar Lula, qual a sua posição sobre isso?", disse o petista.

A candidata se defendeu: "o deputado Vic é meu marido, um recordista de captação de recursos, inclusive no governo do seu partido, quando Edmilson Rodrigues era Prefeito e agora conseguiu mais de um milhão de reais para a Santa Casa".

O último bloco do programa foi dedicado às considerações finais. Os candidatos aproveitaram para avaliar suas campanhas e agradecer o apoio do eleitorado.

Protesto
Indignado por não poder participar do debate, o candidato João Moraes (PSL) foi à porta da emissora protestar contra a decisão. Ele levou uma faixa preta com a palavra covardia escrita.


Especial para Terra