PortoVelho (RO)

Sexta, 3 de outubro de 2008, 03h10 Atualizada às 03h10

Oposição se ataca no debate em Porto Velho

  • Notícias

Ivonete Gomes
Direto de Porto Velho

As lideranças da oposição em Porto Velho foram o diferencial no debate realizado pela TV Rondônia, afiliada da Rede Globo.

Com seis candidatos, o debate tinha como foco os ataques dos opositores ao candidato a reeleição, Roberto Sobrinho (PT). Até que Alexandre Brito (PTC) fez uma pergunta a Lindomar Garçon (PV) e este respondeu achando que Brito havia se referido ao atual prefeito.

A pergunta foi: "Garçon, o que você acha do administrador que se utiliza do nepotismo, que não fala a verdade e cuida dos interesses pessoais?"

Ex-prefeito de Candeias do Jamari, Garçon atacou. "Eu diria para o eleitor não votar nesse candidato porque devemos primar pela lisura na vida pública. Quem usa o nepotismo não merece voto."

Alexandre disparou então: "Garçon, quase que você me engana e me convence a votar em você, mas toda sua família é empregada no governo. Você já foi condenado quando prefeito de Candeias porque empregou na prefeitura uma doméstica para trabalhar em sua casa." O deputado federal respondeu que "no meu gabinete em Brasília não tem nenhum parente."

David Chiquilito (PC do B) procurou explicar suas propostas à população. Não aceitou nem mesmo fazer ataques direitos a Roberto Sobrinho quando os demais candidatos o incitavam.

Alexandre Brito foi incisivo no ataques. O candidato questionou o suposto gasto de R$ 5 milhões pelo gabinete de Roberto.

A tática utilizada por Mauro Nazif (PSB) não foi ir ao ataque direto, mas criticar a administração do petista. Reclamou sobre o setor de transporte. Ele afirmou que a prefeitura conta com apenas um engenheiro de trânsito e uma ciclovia.

Adilson Siqueira (Psol) falou sobre as obras no centro da cidade. Segundo ele, a prefeitura destruiu o patrimônio da população.

Já o candidato a reeleição assumiu nova postura e em algumas ocasiões partiu para o ataque, como por exemplo, ao acusar Lindomar Garçon de mentir no horário eleitoral. Questionou os motivos que "o levaram a dizer inverdades e criar pânico sobre a questão fundiária."

Roberto afirmou ainda que a Justiça Eleitoral concedeu direito de resposta comprovando as mentiras. Garçon retrucou dizendo que havia falado a verdade, citando dados do bairro Lagoinha.

Mas Roberto contra-atacou. "A Justiça deu direito de resposta mostrando que são mentiras e vamos ampliar ainda mais. E o senhor que nunca entregou uma escritura em Candeias", disse.

O evento não contou com a participação de Hamilton Casara (PSDB) que teve menos de 1% na última pesquisa do Ibope e aceitou ficar de fora.


Especial para Terra