Rio Grande do Norte

Sexta, 3 de outubro de 2008, 03h15 Atualizada às 02h58

RN: candidatas travam embate sobre apoio político

  • Notícias

Os candidatos criticam a saúde pública da capital
Os candidatos criticam a saúde pública da capital
Anna Ruth Dantas de Sales /Especial para Terra

Anna Ruth Dantas de Sales
Direto de Natal

O último debate antes das eleições em Natal foi marcado por um embate direto entre as duas principais candidatas, Micarla de Sousa (PV) e Fátima Bezerra (PT) sobre os apoios políticos. Também foram feitas críticas diretas ao sistema de saúde do município e discursos defendendo mudanças na rede pública de saúde. Até mesmo a candidata do PT, Fátima Bezerra, que é apoiada pelo atual prefeito Carlos Eduardo (PSB), admitiu que a atual administração tem limitações.

Fátima Bezerra foi a primeira a atacar. Ao invés de responder primeiro sobre a saúde, ela optou por falar sobre os acordos políticos. "A coligação é importante para evitar o retrocesso que representaria o atraso caso a senhora fosse eleita. O PFL patrocina a sua candidatura, faz oposição feroz e selvagem ao governo Lula", destacou a petista.

Ela admitiu que a administração do prefeito Carlos Eduardo tem dificuldades na saúde. "A gestão de Carlos Eduardo tem acertos e erros, tem limitações. Vamos atuar em muitas áreas, em toda atenção básica".

Micarla de Sousa logo revidou e disse:"fique lá que é o seu lugar, ao lado dos poderosos. Fico ao lado do povo, povo que não tem saúde, médico, remédio. Vou estar ao lado do povo", destacou. A candidata do PV lembrou ainda que o PT é aliado do DEM em 29 municípios potiguares. "O DEM não serve aqui e serve para outros municípios, deputada?", questionou Micarla de Sousa.

A temática sobre a saúde também foi abordada pelo candidato Sandro Pimentel (Psol). Ele criticou o fato das verbas municipais serem destinadas para o pagamento das unidades privadas. "Não podemos admitir que Natal continue com a degradação da saúde pública. Oitenta por cento da verba do Sistema Único de Saúde vai para iniciativa privada. Queremos parceria que traga benefício para população", afirmou.

Miguel Mossoró, candidato pelo PTC, alertou para os salários dos médicos. "A saúde precisa de aparelhamento. Tem médico ganhando R$ 300 para profissional de saúde", comentou o prefeitável. O prefeitável Wober Júnior (PPS) defendeu a proposta de criar um hospital geral na rede municipal. "Será um centro competente, envolvendo a saúde organizada, todos na parceria para melhorar sua vida e sua saúde", destacou.

O candidato Miguel Mossoró fez críticas à administração municipal no projeto do plano de drenagem, que está em fase final de elaboração. "Estamos com o governo na prefeitura de Natal há 12 anos. Agora que fazem o plano de drenagem? Pensei era que a drenagem já estava pronta. Tem que fazer rápido. E nenhum desses candidatos poderá fazer drenagem ano que vem porque o plano de drenagem não estará pronto".

O candidato Sandro Pimentel (Psol) focou o debate nos projetos da educação e na geração de emprego. Para educação ele defendeu o aumento no investimento da Educação de Jovens e Adultos. Ele também criticou os investimentos na geração de emprego. "Em 2007 Carlos Eduardo investiu zero na geração de empregos. Isso mostra irresponsabilidade e desrespeito com as pessoas que não têm emprego e vivem perambulando de porta em porta. Enquanto isso, o prefeito preferiu gastar R$ 204 milhões com contratos de empresas terceirizadas", ressaltou.

Wober Júnior, candidato pelo PPS, defendeu melhorias na educação, focado no combate ao analfabetismo. Ele lembrou que durante o tempo em que foi secretário estadual de Educação, no primeiro governo Wilma de Faria, atuou com essa bandeira. "Vamos colocar as escolas com acessibilidade. Essa é uma preocupação humana, que trata da alma da pessoa", disse.

No último bloco do debate, Micarla de Sousa pediu um direito de resposta pela consideração final feita pela candidata Fátima Bezerra que disse ser "sem projeto e demagógica" a aliança feita por ela. "Em 2007, Carlos Eduardo investiu zero na geração de empregos". A emissora não concedeu o direito de resposta. Com isso, a candidata do PV se ausentou do estúdio antes mesmo da equipe da afiliada da Rede Globo fazer o flash sobre o final do debate. "Desde quando demagogia não é ofensa?", disse Micarla de Sousa.


Especial para Terra