Goiânia (GO)

Sexta, 3 de outubro de 2008, 02h40 Atualizada às 02h39

Participantes criticam ausência de Iris Rezende em debate

  • Notícias

Vinicius Jorge Sassine
Direto de Goiânia

Líder em todas as pesquisas de intenção de voto, o candidato à reeleição da prefeitura de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), deixou de comparecer ao debate promovido pela TV Anhanguera, afiliada da Rede Globo. A ausência do candidato foi criticada nos cinco blocos do debate pelos prefeituraveis Sandes Júnior (PP), Martiniano Cavalcante (Psol) e Gilvane Felipe (PPS), que pediram ao eleitor uma chance de disputar o segundo turno. As pesquisas eleitorais mostram Iris Rezende com preferência de 70% do eleitorado, o que garantiria a vitória em primeiro turno.

As regras do debate permitiam aos presentes apresentarem as perguntas que fariam ao candidato ausente. Foi a chance de iniciar uma avalanche de críticas, acusações e provocações. Gilvane Felipe aproveitou sua primeira pergunta para direcioná-la a Iris Rezende: "Por que ele, na sua gestão, não impediu o crescimento desordenado da cidade?", questionou, para depois apresentar as propostas de sua candidatura para o tema sorteado no debate, "Goiânia e a região metropolitana".

Martiniano Cavalcante, que divide com Gilvane Felipe a última posição nas pesquisas de intenção de voto, também usou sua primeira resposta para criticar o atual prefeito, candidato à reeleição. Disse que os moradores beneficiados pelo asfalto, uma das principais bandeiras da gestão de Iris, passaram a pagar um IPTU até 80% mais caro.

Na vez de Sandes Júnior, candidato do governador Alcides Rodrigues (PP) e maior crítico de Iris durante a propaganda eleitoral gratuita, sobraram acusações ao candidato ausente do debate. Sandes disse que o prefeito "reduziu os repasses das verbas à educação" e criticou o programa dos postos de saúde em funcionamento 24 horas por dia. "Não adianta funcionar 24 horas se faltam médicos e assistência."

Apesar de os três candidatos defenderem a necessidade de segundo turno na eleição da capital goiana, o discurso não estava completamente afinado entre eles. Martiniano Cavalcante fez críticas a Sandes Júnior pelo fato de o pepista integrar a base do governador Alcides Rodrigues. Chamou o adversário de "incoerente". Já Gilvane teve uma postura mais amistosa com Sandes, voltando as críticas à atual administração do PMDB.

No bloco com temas livres, Sandes fez a principal provocação ao prefeito, já manifestada na propaganda eleitoral gratuita. O candidato do PP cobrou de Iris a declaração dos bois existentes em suas fazendas. "Nós, homens públicos, precisamos dar satisfação da nossa vida pública. Por que o senhor não declarou os bois que existem nas fazendas declaradas?"

Depois da provocação, o assunto predominante entre os três candidatos foi a necessidade de segundo turno na disputa pela prefeitura de Goiânia. "Essa ausência incômoda do prefeito é um indicativo de segundo turno", disse Martiniano Cavalcante, que reafirmou a intenção de Iris de disputar o governo do Estado em 2010 e, com isso, deixar a prefeitura.

No último bloco, em que cada candidato fez suas considerações finais, por três minutos, mais uma vez a ausência do prefeito foi criticada, com novas citações a uma possibilidade de disputa em segundo turno.


Especial para Terra