Belém (PA)

Quarta, 1 de outubro de 2008, 10h06 Atualizada às 13h01

Adversários questionam prefeito sobre educação em Belém

 Três direitos de resposta foram concedidos no debate
Três direitos de resposta foram concedidos no debate
Fátima Fernando/Especial para Terra

Lucy Silva
Direto de Belém

O penúltimo debate entre os candidatos que disputam à prefeitura de Belém, no Pará, Duciomar Costa (PTB), Valéria Pires Franco (DEM), José Priante (PMDB), Mário Cardoso (PT), Arnaldo Jordy (PPS), Marinor Brito (Psol) e João Moraes (PSL), realizado pelo SBT, esquentou os ânimos entre os participantes. Duciomar que é candidato à reeleição, foi o principal alvo e o tema escolhido por seus adversários foi a educação.

Três direitos de resposta foram concedidos durante as duas horas e meia do programa que foi dividido em quatro blocos. Dois deles foram dedicados às perguntas entre os candidatos.


Educação
A divergência principal foi com relação aos números da educação e que renderam direito de resposta ao petebista. Arnaldo Jordy (PPS) acusou Duciomar de não investir nada nessa área. "Belém teve o terceiro pior desempenho da educação básica. Está tudo no site do Ministério da Educação, é só acessar a Internet. O senhor não investiu um centavo na educação em seu governo", acusou Jordy.

Duciomar Costa o desmentiu na réplica. "O senhor sabe que isso não é verdade, que temos obrigação constitucional de investir 25% em educação e foi o nosso maior investimento com mais de dez mil jovens estudando", rebateu o petebista. Na tréplica os ânimos se acirraram e Jordy lançou o desafio. "Um de nós aqui está mentindo e eu assumo o compromisso aqui com o telespectador que se eu estiver mentindo renuncio a minha candidatura no próximo debate", retrucou Jordy.

Com direito de resposta concedido a Duciomar, mais acusações. "Eu vou provar que o senhor está errado e quero que cumpra sua promessa de renunciar sua candidatura diante das câmeras", disse Duciomar Costa (PTB).

Com as declarações, a emissora decidiu conceder também a Jordy direito de resposta, quando mais acusações vieram à tona. "Não vou debater idéias com cinismo, com vale-tudo. Fiz um debate sério, como em toda minha campanha. Nunca tive diploma falso, nem mais do que um CPF, nem nenhum processo contra mim, como alguns aqui que têm mais de oito processos por improbidade administrativa. Reafirmo que no que diz respeito à educação de jovens e adultos não foi investido um centavo em educação", reafirmou a acusação o candidato do PPS.

O tema educação também provocou discussões entre a candidata Valéria Pires Franco (DEM) e o candidato Mário Cardoso (PT). "O discurso é muito bonito, mas o senhor foi secretário de educação estadual e a única obra que não podia ter deixado era spray de pimenta para os professores".

Na tréplica Cardoso respondeu dizendo que "a senhora não leu nada que fiz na secretaria, fiz o plano estadual de educação, que a senhora passou doze anos e não fez nada, tanto no governo do Almir como no do Jatene", acusou. Ofensas que também foram citadas pelo candidato José Priante (PMDB).


Último bloco
No último bloco do debate foi concedido mais um direito de resposta. "Quero dizer ao candidato Priante e ao Mário que eu fiquei quatro anos no governo e que na minha época a santa casa ganhava prêmio. Não era essa vergonha que se vê hoje, com tantos bebês morrendo", defendeu-se Valéria Pires Franco no terceiro direito de resposta concedido pela emissora.

Marinor Brito também atacou a administração do atual prefeito. "Deixar o povo quatro anos no abandono e ainda vir aqui pedir voto?", questionou. Já Duciomar declarou que "temos problemas sim, mas nossa obrigação é tentar resolver. Não é com propostas faraônicas".

Arnaldo Jordy voltou a polemizar, ao questionar Valéria Pires Franco sobre sua proposta que prevê dois passes livres para desempregados enquanto não conseguirem emprego. "Como a senhora vai fazer isso com um custo anual de 72 milhões de reais, sendo que o orçamento total da prefeitura é de 85 milhões para tudo?".

Valéria respondeu. "Nunca disse que o projeto era para atender todos os desempregados, mas apenas 30 mil que são os que estão recebendo seguro desemprego. Isso dá apenas 5% do orçamento. O senhor que fala tanto em Internet devia ir na minha página que está tudo lá". Ela foi criticada pelo adversário. "No seu site anuncia apenas o bilhete amigo para o trabalhador desempregado, não vou adivinhar quantos são, imagino então, que sejam todas", disse Jordy.

O programa também teve espaço para protestos. O candidato João Moraes (PSL), leu uma carta protestando contra a sua exclusão do próximo debate que acontece na TV Liberal, afiliada Rede Globo, amanhã. "Hoje eu me despeço dos meus eleitores porque por força do capital e da poderosa Rede Globo, que me tirou o direito de participar do programa", disse referindo-se à resolução do Tribunal Superior Eleitoral, que prevê que participam dos debates apenas os candidatos com representação na Câmara dos Deputados nas ultimas eleições.


Participação
Ao final do debate, alguns candidatos comentaram sua participação. "O debate foi bom porque coloquei minhas propostas, lamento os candidatos que se exaltaram. Debate é para prestar contas do trabalho já feito", avaliou a democrata Valéria Pires Franco.

"Foi bom porque ajudou a esclarecer os dados e deixar claro quem nunca saiu do lado do povo vai continuar no lado do povo", disse a candidata do Psol, Marinor Brito.

Já José Priante (PMDB), avaliou o programa como "mais uma etapa para elucidar a sociedade. Mostrar quem são os candidatos e revelar o que eles pensam", finalizou.


Especial para Terra