João Pessoa (PB)

Segunda, 29 de setembro de 2008, 02h53 Atualizada às 03h06

PB: candidato à reeleição é principal alvo em debate

Beth Torres
Direto de João Pessoa

No debate entre os candidatos que concorrem à prefeitura de João Pessoa (PB), transmitido pela TV Record, na noite de domingo, o principal alvo foi o atual prefeito e candidato à reeleição, Ricardo Coutinho (PSB).

No primeiro bloco, o tucano João Gonçalves iniciou falando sobre saúde e geração de renda. Em seguida, Francisco Barreto (PTN) defendeu uma "democracia pluralista" e o controle social dos gastos públicos.

José Rodrigues (PHS) disse que as gestões em João Pessoa são marcadas "ora pela corrupção, ora pela má administração". A candidata do PCO, Lourdes Sarmento, disse que o partido tem propostas para a construção de um governo operário e que a educação passa por uma "privatização generalizada".

A atual administração e as propostas dos outros candidatos foram criticadas pelo candidato do Psol, Marcos Dias. Ele acusou a prefeitura de ser negligente com a educação.

O último a falar no primeiro bloco foi o candidato à reeleição, Ricardo Coutinho (PSB), que disse que ainda quer fazer investimentos em habitação e geração de renda.

No terceiro bloco, José Rodrigues questionou o atual prefeito sobre o suposto apoio de pessoas ligadas a escândalos de corrupção. Coutinho disse que não aceita todo tipo de apoio e que as verbas públicas estão empregadas em obras que beneficiam a população.

João Gonçalves perguntou a Barreto qual o motivo de sua saída da atual gestão (ele foi secretário municipal). O candidato do PTN respondeu que seu afastamento foi motivado por discordâncias administrativas, ideológicas e políticas. "A transparência na atual gestão é tão transparente que ninguém vê", disse Barreto.

Marcos Dias perguntou a candidata Lourdes Sarmento sobre suas propostas para o transporte. A candidata disse que a atual gestão está comprometida com os empresários de transporte coletivo.

No quarto bloco, Lourdes Sarmento questionou o atual prefeito sobre o pleito eleitoral de 2010. Coutinho agradeceu "a propaganda antecipada", mas disse que era candidato a prefeito. "Lamento que os candidatos, ao invés de trazerem propostas, venham tratar desse tema", disse. Lourdes respondeu que o prefeito já falava como candidato à próxima corrida eleitoral.

Quando questionado por Coutinho sobre a obra da Estação Ciência, Barreto disse que discordava da iniciativa e que o local deveria ser transformado em um instituto de oceanografia. O prefeito disse que, antes de ser demitido, Barreto foi um dos grandes defensores do espaço. O candidato do PTN rebateu que não foi demitido.

Em seguida, o ex-secretário criticou os gastos na área de publicidade e perguntou a José Rodrigues o que ele faria "para acabar com a farra do dinheiro público". Ao invés de falar sobre o tema, o humanista disse que se investiu mais em publicidade do que na compra de medicamentos.

Barreto afirmou que, caso eleito, vai extinguir a Secretaria de Comunicação e que na sua administração não haveria censura à imprensa.

O humanista José Rodrigues questionou se João Gonçalves não teria bens no nome de terceiros, os chamados "laranjas". Ele negou e disse que trabalha pelo bem comum. "Laranja, nem a minha cor é laranja. Não faz parte da minha vida e nem da minha índole", comentou.


Especial para Terra