Fortaleza (CE)

Domingo, 28 de setembro de 2008, 11h56 Atualizada às 20h07

Moroni Torgan fala de propostas para Fortaleza

  • Notícias

Candidato a prefeito de Fortaleza (CE), o ex-deputado federal Moroni Torgan (DEM) prometeu, caso eleito, mobilizar uma força-tarefa para dar atendimento médico a cerca de 120 mil pessoas, que aguardam por consultas ou exames na rede pública municipal. Além de um mutirão no qual espera envolver até profissionais das Forças Armadas, o candidato disse que pretenderia contratar cerca de 300 médicos para reforçar o atendimento nos postos de saúde.

Outra proposta que consta em seu programa de governo é a construção de seis clínicas comunitárias para atender à população. Moroni Torgan considerou que, com a melhoria da qualidade no atendimento dos postos e centros de saúde, automaticamente cairá o número de pessoas que hoje buscam por assistência hospitalar especializada no Instituto José Frota.

Na educação, Moroni Torgan prometeu uma atuação intensiva para tentar reverter a situação do ensino público na capital cearense. "No município, são 187 mil crianças e 18 mil vão para a creche. Das 144 mil que estão prontas para a pré-escola, só a metade freqüenta a pré-escola. Temos 247 mil alunos no ensino fundamental e praticamente 47% não sabem ler nem escrever. A primeira atitude no ensino fundamental é fazer um programa de alfabetização intensivo para que as crianças aprendam a ler e a escrever. Antes disso, não adianta fazer nada", disse.

Torgan acrescentou que não há como pensar em qualquer outra medida para o setor sem antes resolver o problema da alfabetização. "Antes disso, não adianta pensar em nada, porque se as crianças não sabem ler nem escrever mais nada estão aprendendo na escola. Elas estão indo para a escola só para passar o tempo, como se a escola fosse um depósito de crianças", afirmou.

Segurança
Para combater a violência na capital cearense, Moroni Torgan disse que pretende basear-se nos programas executados em cidades como Nova York (EUA) e Bogotá e Medellin, na Colômbia. Segundo ele, o objetivo é criar um sistema de proteção comunitária que tenha como fundamento adotar medidas de prevenção social aliadas à "repressão inteligente".

"A teoria de prevenção social é aquela que prevê a instalação dos melhores equipamentos públicos nas áreas mais pobres. Tem urbanização, iluminação, centros de cultura, centros de esporte, centros sociais, centros educacionais, essa é a teoria de prevenção social que a gente viu aplicada e que, na prática, reduziu em 80% o índice de criminalidade em Bogotá e Medellin" explicou.

Como proposta de melhoria habitacional para a população mais carente, o candidato disse que quer credenciar a cidade em programas viabilizados pelo Banco Mundial (Bird) e pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ele pretende ainda dispor dos R$ 187 milhões que estariam no caixa da Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor), verba esta que não teria sido utilizada.

A plataforma de campanha de Moroni Torgan para a melhoria do transporte coletivo passa pela criação de corredores de ônibus e a construção de um Metrô de superfície ligando o setor leste da cidade ao setor oeste.

"O metrô subterrâneo sairá muito caro e esse metrô de superfície elevado sai por um quinto do preço e se faz na metade do tempo", argumentou o candidato do Democratas.


Agência Brasil