Teresina (PI)

Sábado, 27 de setembro de 2008, 15h55 Atualizada às 15h55

Comissão de Votação Paralela mandará buscar urna de avião

  • Notícias

Carlos Rocha
Direto do Piauí

Para comprovar a eficácia das urnas, a comissão de votação paralela das eleições 2008 já avisou que, se for preciso, manda buscar de avião a urna do interior do Estado que for sorteada para participar dos testes. Será escolhida uma urna de Teresina (PI) e uma do interior para participar do processo na véspera da eleição.

A comissão explicou que a "votação" consiste no preenchimento de cédulas de papel e a posterior inserção dos dados na urna eletrônica. "No dia da votação paralela, a comissão de apoio, que é formada por 12 servidores, vão até a urna eletrônica de forma filmada com a cédula em mãos para mostrar sua segurança, e a pessoa vai digitar na urna eletrônica aquilo que está na cédula. Essa cédula tem uma numeração. Às cinco horas da tarde vamos encerrar a eleição e tirar um boletim, que tem de conferir o resultado com o que foi digitado", explicou o tribunal.

"O ato será aberto ao público e aos partidos políticos. Qualquer pessoa pode assistir e fiscalizar o trabalho. No dia anterior, faremos o sorteio das urnas eletrônica que virão para a auditoria. Vamos utilizar urnas que estão prontas para receber os votos no dia seguinte", relatou a comissão.

Caso não haja concordância dos dados, haverá a conferência para saber se os dados foram digitados corretamente. "Se por acaso houver alguma diferença, vamos provar que a pessoa que digitou é que cometeu o equívoco, porque a urna vai somente mostrar o resultado que foi digitado. Isso aí é a prova segura que nós temos de que os votos depositados na urna são os que vão aparecer no boletim final", explicou.

O processo de votação acontece no mesmo horário da votação oficial, de oito da manhã às cinco da tarde, e será realizado no plenarinho da Assembléia Legislativa.


Especial para Terra