Boa Vista (RR)

Sábado, 27 de setembro de 2008, 09h08 Atualizada às 13h47

Boa vista é um dos municípios que não terão segundo turno

  • Notícias

A cidade de Boa Vista (RR) é uma das capitais no País onde a eleição será decidida em um único turno, visto que a cidade tem apenas 159.076 eleitores. Rio Branco (AC) e Palmas (TO) também apresentam quantidade menor de eleitores que a exigida pela legislação eleitoral, que é de 200 mil. Nos demais municípios, a eleição será decidida em primeiro turno apenas se algum dos candidatos fizer mais de 50% dos votos válidos.

Para as eleições deste ano, cerca de 470 seções eleitorais estão sendo preparadas para receber os eleitores de Boa Vista. Dentre os principais problemas apontados pela população para serem resolvidos pelos candidatos à prefeitura são as questões relacionadas à saúde e à oportunidade de emprego.

Concorrem ao cargo de prefeito na cidade Ariomar Farias de Lima (PCO), Luciano Castro (PR), o venezuelano naturalizado brasileiro José Luís Oca (PSL) e o candidato à reeleição, Iradilson Sampaio (PMDB).

Dentre as propostas de campanha dos candidatos, ganham destaque a construção de escolas de tempo integral e de um teatro municipal com capacidade para 1,2 mil pessoas, o desenvolvimento de mais programas sociais e a criação de hortas comunitárias.

Apesar de ter um dia-a-dia tranqüilo, em comparação a uma grande cidade, Boa Vista anseia por melhorias nas ofertas de trabalho, na segurança, no transporte de qualidade, no número de médicos e enfermeiros para a rede hospitalas e também na quantidade de creches.

Conforme a prefeitura, atualmente 61 unidades atendem aos mais de 17 mil alunos da rede municipal, incluindo crianças de dois e três anos. Na área de saúde, apenas um hospital público atende às causas de média e alta complexidade da saúde da população.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Boa Vista, também há grande desejo dos servidores públicos quanto à realização de concurso público. "O próximo prefeito deve promover a efetivação dos servidores que não são concursados. Promover o concurso público é uma forma significativa de valorização desses profissionais", afirmou.


Agência Brasil