Recife (PE)

Quarta, 24 de setembro de 2008, 18h19 Atualizada às 22h03

Recife: João da Costa recorre de cassação de candidatura

  • Notícias

Gabriela Belém
Direto De Recife

Os advogados de João da Costa (PT), que concorre à prefeitura do Recife, recorreram na Justiça da decisão do juiz Nilson Nery, que determinou a cassação da candidatura do petista por suposto uso da estrutura da Secretaria de Municipal de Educação.

A assessoria jurídica dele ainda pediu direito de resposta às declarações do adversário Mendonça Filho (DEM). A propaganda televisiva do democrata veiculou acusações de crime eleitoral contra João da Costa, além de distribuir panfletos sobre o assunto.

Segundo a investigação da Polícia Federal e Ministério Público de Pernambuco (MPPE), em computadores do órgão foram encontrados materiais de campanha e convocação de pessoas para fazer caminhadas e panfletagens no horário de expediente.

A advogada Virgínia Pimentel argumenta que não há prova de abuso de poder político nos autos do processo. Ela acredita que a decisão será alterada no Tribunal Regional Eleitoral.

"Não há provas nos autos de que o candidato tenha dado ordem para os servidores participarem da campanha. Até porque ele estava fora do quadro da prefeitura na época. O que existem são meros indícios, porque não se vê nenhuma ordem expressa de João da Costa para a cooptação de funcionários a participar da campanha", explicou.

Sobre a suposta divulgação de propaganda eleitoral na revista do Orçamento Participativo da prefeitura, na época em que João da Costa era secretário da pasta, a advogada disse nada o enaltece no material.

"Não existe um elogio, uma foto, um adjetivo que tenha conteúdo promocional. Além disso, uma revista de 50 mil exemplares não têm capacidade de influenciar o resultado do pleito. Em uma cidade com mais de um milhão de eleitores como Recife, é um número de pequena proporção", concluiu.

Nilson Nery
O advogado Stênio Neiva afirmou que o juiz Nilson Nery, que deu a sentença da cassação de João da Costa, não compareceu a uma audiência marcada contra o candidato nesta tarde. A nova acusação é que o petista teria usado um caminhão de limpeza da prefeitura em favor de sua campanha.


Especial para Terra