João Pessoa (PB)

Quinta, 18 de setembro de 2008, 12h41 Atualizada às 12h30

PB: promotora eleitoral recebe reforço da PF

  • Notícias


Michelle Sousa
Direto de João Pessoa

A promotora da 20ª zona eleitoral da Paraíba, Ana Maria Pordeus Gadelha, denunciou que recebeu ameaças públicas de morte por parte de partidários de um dos candidatos a prefeito de Araruna na Paraíba. Após relatar os fatos ao procurador eleitoral Guilherme Ferraz, ela recebeu reforço de policiais federais na Comarca.

Ana Maria Pordeus Gadelha atua como promotora nos municípios de Araruna, Cacimba de Dentro, Riachão e Campos de Santana. Ela disse que a situação é mais tensa nos dois primeiros municípios. Em Araruna, a promotora eleitoral garantiu que foram feitas ameaças públicas por correligionários do candidato Vital Costa (PTB). "São ameaças no sentido de que eu seria esfaqueada e apedrejada", afirmou.

As denúncias levaram a Procuradoria Regional Eleitoral solicitar da polícia federal reforço no policiamento. "Já existe uma equipe da Polícia Federal fazendo um levantamento nos quatro municípios. Entreguei os nomes das pessoas envolvidas que serão chamadas para serem ouvidas".

O candidato Vital Costa também reagiu publicamente às denúncias formuladas pela promotora. Ele negou as acusações feitas por ela e defendeu a criação de uma comissão do Ministério Público para investigar o comportamento de Ana Maria.

Costa é apoiado pelo grupo político do governador Cássio Cunha Lima (PSDB). Araruna é o principal reduto do maior inimigo político de Lima, o senador José Maranhão (PMDB). As eleições para prefeito no município são disputadas entre Vital Costa, Wilma Maranhão que é irmã do senador, e Fábio Rocha (PT), conhecido por Gordo de Tião.

A chegada da promotora ao município já foi motivo de protesto por parte do grupo de Vital Costa que chegou a impetrar uma ação de suspeição contra ela, alegando ligações de Ana Maria com familiares do senador José Maranhão. O recurso foi julgado improcedente pela Justiça.

Nas eleições passadas, Ana Maria chegou a suspender convênios da prefeitura que, segundo ela, objetivavam a distribuição de R$ 94 mil em plena sexta-feira anterior ao pleito. "Não é interessante a minha presença aqui porque alguns políticos têm os interesses contrariados pela minha atuação combativa", resumiu a promotora eleitoral.  


Redação Terra