Maceió

Terça, 9 de setembro de 2008, 21h12 Atualizada às 21h20

Candidatos divergem durante debate em Maceió

  • Notícias

Bruno Soriano
Direto de Maceió

Os candidatos à prefeitura de Maceió (AL) participaram de um debate promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT). Somente o atual prefeito, Cícero Almeida (PP), não participou do evento "devido a compromissos de gestão". Todos candidatos criticaram a ausência do chefe do Executivo. Mário Agra (Psol) e Judson Cabral (PT) divergiram sobre suas propostas para o transporte público na capital.

"O transporte em Maceió está uma 'porcaria'. A tarifa é uma das mais altas. Não se admite que o trabalhador pague duas passagens para sair da periferia e chegar em Ponta Verde. Eu defendo o passe livre, e você Judson?", indagou Mário Agra. "A questão do transporte não se discute no grito", respondeu o petista.

Os adversários também discutiram quando falaram sobre seus partidos. "Seu presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva brecou recursos que seriam destinados a Maceió. Sabemos quem manda aqui. Cadê a macrodrenagem antiga obra não finalizada em Maceió do Tabuleiro?", perguntou Mário Agra.

Judson Cabral disse que o governo federal tem privilegiado o Estado. "Recentemente, foram liberados R$ 70 milhões para obras de saneamento no Vergel e na Bacia da Pajuçara".

A candidata Solange Jurema (PSDB) criticou a atual administração municipal, ao lembrar que 17 mil crianças estão sem estudo. "Gostaria que o prefeito estivesse aqui para dizer por que abandonou as pessoas e a periferia desta cidade", reclamou.

Manoel de Assis (PSTU) disse que Solange "será uma mera reprodutora da política neoliberal implantada nos oito anos de governo FHC". A tucana rebateu ao afirmar que acredita "no desenvolvimento econômico, em paralelo com o social."

Assis falou ainda sobre o governador tucano, Teotonio Vilela Filho, indiciado em uma operação da Polícia Federal e sobre supostas medidas que seriam adotadas pela candidata para punir grevistas.

"Não sei de onde tiraram essa declaração. Quem conhece a minha história sabe que sempre trabalhei em prol dos diversos movimentos sociais. Jamais serei hostil com nenhum deles", finalizou Solange.


Especial para Terra