Santa Catarina

Sexta, 5 de setembro de 2008, 14h21 Atualizada às 14h44

Ex-árbitro Margarida concorre a vereador em SC

  • Notícias

Uniforme cor-de-rosa rendeu fama ao juiz
Uniforme cor-de-rosa rendeu fama ao juiz
Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

O uniforme cor-de-rosa e os trejeitos acrobáticos nos campos de futebol transformaram Margarida num dos árbitros mais conhecidos do Brasil. Agora, o ex-juiz Clésio Moreira dos Santos, 48 anos, é um dos candidatos do PR a vereador em Palhoça, na região metropolitana de Florianópolis.

» SC: Margarida é candidato a vereador
» Candidato aparece algemado na TV
» Ex-BBB é candidato em São Bernardo
» SC: candidato faz campanha vestido de palhaço

Margarida disputa a preferência dos 81 mil eleitores para conquistar uma das 11 vagas na Câmara Municipal. Ele tem dividido o seu tempo entre a campanha eleitoral e as apresentações em partidas de futebol realizadas em várias regiões do Brasil.

O candidato afirma que a preocupação com o turismo de sua cidade natal é o motivo pelo qual decidiu se aventurar na carreira política. "Palhoça tem praias lindas, como a Guarda do Embaú, e precisamos despertá-la um pouco mais para o turismo", destacou, sem negar as dificuldades encontradas na candidatura de primeira viagem. "É bem mais complicado disputar uma eleição para vereador do que apitar jogos de futebol".

Personagem
Clésio se formou na Federação Catarinense de Futebol em 1988 e quatro anos depois resolveu criar a personagem Margarida, misturando o estilo de três árbitros: Jorge Emiliano (o Margarida do Rio de Janeiro), Roberto Nunes Morgado e o catarinense Almir Renzi. Ele conta que foram quase dois anos treinando as coreografias, como o "passo da gazela", que o tornaram conhecido no País e no exterior.

Margarida não se separa dos apetrechos cor-de-rosa, desde a nécessaire às chuteiras e uniforme. Casado e pai de três filhos, ele trata a personagem como sua grande "marca". Afastado dos gramados desde 2006, atualmente ele assina colunas em jornais da região e cobra um cachê de cerca de R$ 3 mil por performance em jogos festivos e outros eventos. Segundo o ex-árbitro, a agenda está praticamente lotada aos finais de semana. "Recebo convites para apitar partidas em quase todos os Estados", destacou.


Especial para Terra