Salvador (BA)

Quarta, 20 de agosto de 2008, 16h46 Atualizada às 16h58

BA: candidatos mostram trajetória pessoal na TV

  • Notícias

Vitor Pamplona
Direto de Salvador

Os principais candidatos à prefeitura de Salvador usaram a mesma estratégia para conquistar votos na estréia do horário político eleitoral na televisão: eles mostraram suas histórias pessoais.

» RS: candidatos investem na apresentação pessoal

Walter Pinheiro (PT) apresentou a família e lembrou a infância pobre no bairro do Uruguai, subúrbio da capital. Durante os sete minutos e 18 segundos a que tem direito, ele falou também sobre seu passado como sindicalista, a atuação como deputado federal e a proximidade com o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e com o presidente Luis Inácio Lula da Silva. O programa exibiu ainda depoimentos da candidata a vice, a ex-prefeita Lídice da Mata (PSB), e do deputado federal Nelson Pelegrino (PT), que concorreu à prefeitura de Salvador nas últimas eleições.

O deputado federal ACM Neto (DEM) também relatou sua história política na Câmara Federal. Na maior parte do tempo foram exibidas imagens de familiares. Ainda na propaganda, o senador Marco Maciel (DEM) destacou a origem política de Neto. "Líder não se faz, líder nasce. ACM Neto nasceu líder", disse. ACM Neto lidera a corrida eleitoral em Salvador segundo todas as pesquisas.

Uma das diferenças na estrutura do programa do prefeito e candidato à reeleição, João Henrique (PMDB), com relação aos demais, foi uma entrevista na qual ele responde sobre a época em que era estudante no Canadá. "Decidi entrar para a política em Montreal, após ver o tamanho da classe média e a rede de assintência pública", disse João Henrique. O peemedebista é o dono da maior fatia do horário eleitoral em Salvador: nove minutos e 27 segundos.

Na segunda parte da propaganda, o atual prefeito atacou as gestões anteriores à sua e disse ter recebido "Salvador com o nome no SPC", uma referência às finanças públicas do município. O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, elogiou a entrada do candidato para o PMDB, que "abriu para João as portas de Brasília".

O último dos principais prefeituráveis foi Antonio Imbassahy (PSDB), que recordou realizações do tempo em que era prefeito de Salvador (1997 - 2005). A equipe do candidato tucano enfatizou o alto índice de aprovação que ele tinha quando deixou a prefeitura. O restante do programa foi dedicado a propostas para a saúde e promessas de construir 100 novos postos de saúde, três novas maternidades e 20 policlínicas.

O candidato do Psol, Hilton Coelho, foi o que menos apareceu no primeiro dia do horário político na TV. Mas não pelos dois minutos e sete segundos de que a coligação dispõe. A campanha de Coelho preencheu quase todo espaço com imagens de caminhadas e encontros políticos, ao som do jingle do candidato, um reggae que pede aos eleitores para não "vender mais nossa cidade". Na tela, logotipos de grandes contrutoras, de uma empresa de ônibus local e de uma concessionária da coleta de lixo.


Especial para Terra