Porto Alegre (RS)

Quarta, 20 de agosto de 2008, 08h46 Atualizada às 09h43

RS: candidatos investem na apresentação pessoal

  • Notícias

Os candidatos à prefeitura de Porto Alegre aproveitaram o espaço do primeiro programa eleitoral gratuito em rádio para apresentar-se aos eleitores. Além da trajetória de vida, a maioria dos programas enfatizou a necessidade de modificar a situação atual da capital, entretanto, não apresentaram propostas para que isso ocorra.

» RS: partidos apostam em lideranças na TV
» RS: Pedro Simon abre programa do PMDB
» RS: PT fica de fora da primeira propaganda na TV
» vc repórter: mande fotos e notícias

A candidata Manuela D'Ávila (PCdoB), abriu o horário eleitoral em Porto Alegre. A propaganda mostrou um programa de rádio, no qual a candidata era entrevistada de uma forma descontraída. A entrevista focou em quem é Manuela e na sua trajetória de vida. A entrevista terminou com a candidata explicando porque não se considera muito jovem para ser prefeita. "Não é a idade que faz a pessoa ser boa nem ruim, nem ser capaz, nem incapaz", afirmou.

Outra coligação que apostou na apresentação pessoal da candidata para abrir o programa eleitoral foi a Frente Popular (PT-PRB). A propaganda iniciou com uma apresentação da biografia da candidata do PT, Maria do Rosário. Os ouvintes da propaganda eleitoral tiveram a oportunidade de conhecer a naturalidade, formação, carreira e trajetória política da candidata. Em tom sereno, Maria do Rosário falou durante o programa porque se considera preparada para ser prefeita. "Só pode fazer mais quem viveu com a intensidade em que nós vivemos. Agente aprende quando governa, quando ganha e quando perde", disse.

O programa da candidata do Psol, Luciana Genro também fez a apresentação de quem é a candidata. Além disso, mostrou as propostas de Luciana para a prefeitura. Durante a propaganda, a candidata reafirmou seu compromisso de cortar 70% dos cargos em comissão da prefeitura e reduzir os gastos com publicidade. O programa finalizou com uma entrevista com a mãe da candidata, Sandra Genro, sobre as atividades políticas de Luciana na escola.

O programa eleitoral do candidato do partido Democratas Onyx Lorenzoni deu ênfase aos problemas pelos quais a cidade de Porto Alegre está passando. A propaganda afirmou que as soluções para estes problemas serão apresentadas nos próximos programas eleitorais. Ao contrário dos demais candidatos, a coligação de Onyx utilizou espaço do programa eleitoral para apresentar a trajetória do candidato a vice-prefeito, Mano Changes(PP).

O atual prefeito e candidato à reeleição, José Fogaça (PMDB), utilizou todo seu tempo de programa eleitoral para mostrar as realizações do seu último mandato e os projetos que estão em andamento. Durante o programa, o prefeito ressaltou que foi necessário primeiro pagar as contas e colocar as finanças em ordem, para depois iniciar novas obras. Fogaça também explicou que consolidou o Orçamento Participativo, mantendo o projeto e aumentando o número de obras nos bairros. "Primeiro a gente faz, depois a gente fala", disse o locutor do programa. Ao final, Fogaça afirmou que quer ser novamente prefeito para poder dar continuidade ao seu trabalho na capital.

O programa do candidato do Nelson Marchezan Jr (PSDB), mostrou o deputado como sendo o "prefeito da saúde de Porto Alegre". Após a apresentação da trajetória de vida do candidato, o programa enfatizou as realizações do partido na área da saúde, como o tratamento modelo para a AIDS e a quebra de patentes para a produção de remédios genéricos no Brasil, ação que, segundo a propaganda política, teve a ajuda de seu pai, o deputado Nelson Marchezan.

Paulo Rogowski (PHS), foi o único candidato que ficou de fora da primeira propaganda eleitoral para prefeito. O publicitário responsável pela produção dos programas de rádio e TV do candidato, Roberto Ferreira, informou que a fita com gravação do programa foi entregue com atraso à retransmissora, por isso a propaganda não foi transmitida. O publicitário garantiu que os próximos programas serão exibidos normalmente, tanto no rádio quanto na televisão.


Redação Terra