Mato Grosso do Sul

Terça, 19 de agosto de 2008, 10h46 Atualizada às 10h46

Campo Grande: candidatos fazem primeiro debate

  • Notícias

Alvaro Marzochi
Direto de Campo Grande

A Arquidiocese de Campo Grande realizou, na noite de ontem, o primeiro debate com os cinco candidatos à prefeitura da cidade. Nelson Trad Filho (PMDB), Pedro Teruel (PT), Henrique Martine (Psol), Iara Costa (PMN) e Suél Ferrranti (PSTU) estiveram lado a lado por quase três horas. Os candidatos mostraram seus planos de governo e não pouparam ataques ao atual prefeito, Nelson Trad.

» Trad registra maior arrecadação no MS
» MS: campanha terá lideranças nacionais
» Psol abrirá propaganda eleitoral em Campo Grande
» MS: celular é único bem declarado por candidato

O debate foi dividido em cinco blocos. Logo no início, cada um dos candidatos teve 10 minutos para discorrer sobre como será a administração, caso sejam eleitos. Em seguida, a Arquidiocese abriu o ciclo de perguntas e o tema foi a construção de um pronto socorro municipal.

Os concorrentes aproveitaram para atacar a administração do candidato à reeleição, Nelson Trad Filho. O principal opositor, Pedro Teruel, destacou que Campo Grande tem postos de saúde muito bonitos por fora, mas que por dentro não funcionam. Iara Costa seguiu a mesma linha. "O atual prefeito é médico, mas a saúde está doente", afirmou.

Trad rebateu e disse que contratou 1,8 mil profissionais da área da saúde e que a idéia é investir nos postos de saúde 24h. Henrique Martini disse ser viável a construção do pronto socorro municipal. Já Suél Ferrenti focou na necessidade de um programa eficaz de prevenção, como o médico da família.

No questionamento sobre como minimizar os problemas do trânsito, como sinalização, acidentes e o álcool, os concorrentes de Trad concordaram na proposta do transporte coletivo, que necessitaria de mais investimentos e ampliação das linhas e horários, além da educação no trânsito.

O prefeito admitiu os problemas e justificou como sendo resultantes do aumento da frota de Campo Grande em 60 carros por dia, creditada ao maior poder aquisitivo das classes mais baixas. A solução dada por ele seria a criação de corredores exclusivos para os ônibus coletivos, além de fiscalização eletrônica.

No terceiro bloco foram realizadas duas rodadas de perguntas feitas por 10 pessoas sorteadas da platéia. Os candidatos discorreram nas áreas de saúde, economia, transporte coletivo e obras públicas. No quarto bloco as perguntas foram feitas de um candidato ao outro, com direito a réplica e tréplica.

Teruel aproveitou para questionar Trad. O petista questionou se, com índices de um roubo a cada três horas e uma morte violenta a cada 19 horas, não seria a hora de trocar a atual administração, que não deu conta de resolver esses problemas.

O prefeito afirmou que a responsabilidade pelo sucateamento da polícia foi do governo estadual anterior, do Zeca do PT, e disse que trabalha com o atual governador, André Puccinelli, para melhorar a segurança. Teruel afirmou que, se for eleito, sua administração não irá culpar governos anteriores, mas sim, assumir as responsabilidades.

No final, os candidatos tiveram um minuto cada para os agradecimentos. Trad aproveitou o espaço para rebater as críticas. "A Campo Grande que temos não é a que está na boca de nossos adversários", disse, já com o microfone desligado por ter estourado o tempo.


Especial para Terra