Belém (PA)

Sábado, 16 de agosto de 2008, 00h32 Atualizada às 00h32

PA: vereador esclarece autuação por desacato

  • Notícias

O vereador e candidato à reeleição em Belém Paulo Fonteles (PT) encaminhou nota à imprensa com sua versão sobre os acontecimentos numa delegacia de polícia da capital. Ontem pela manhã, ele e sua mulher, Angelina Nazaré dos Santos Brandão, foram autuados por desacato à autoridade.

» PA: vereador é autuado por desacatar delegado

O petista explicou que, ao saber da prisão do músico Príamo Brandão, por porte de maconha, se dirigiu até a unidade policial na companhia de sua mulher. No local, disse que viu o artista sendo tratado como traficante e tentou explicar para o delegado Arnaldo Mendes que Príamo não era um criminoso de altíssima periculosidade. Mas não obteve resultados.

Ainda segundo o vereador, depois de conversar por telefone com seu advogado, foi chamado para dentro da delegacia, onde ele e a mulher receberam voz de prisão.

"Protestamos e fomos tratados com um palavreado chulo, tipo xingamento de juiz de futebol (...) e levei um soco do próprio delegado a altura do peito. Fomos levados para uma sala e distante dos olhos do público nos vimos diante de um festival de horrores: ameaças, uma pistola rodando de mão em mão, três policiais segurando-me como lobos febrentos e um quarto que espirrou-me spray de pimenta no rosto, algemas em meus pulsos, minha mulher estapeada pelo delegado Arnaldo Mendes".

Preocupado com o tratamento de jovens da periferia, Fonteles ainda disse na carta: "se dentro de um aparelho policial um parlamentar razoavelmente conhecido pela luta dos direitos humanos, conselheiro da Sociedade Paraense de Defesa de Direitos Humanos e sua companheira são achacados da forma que foram, imaginemos o que ocorre ao cidadão comum, ao desempregado, ao trabalhador, ao jovem da periferia, ao pobre? É para com eles que devemo-nos preocupar, com o cotidiano das violências permanentes, com as surras pedagógicas silenciadas pela humilhação do poder policial".


Redação Terra