Belém (PA)

Terça, 22 de julho de 2008, 22h27

Belém: candidatos se defendem de lista da AMB

  • Notícias

Valena Oliveira
Direto de Belém

Os candidatos à prefeitura de Belém citados na lista da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) se pronunciaram para explicar a publicação, que mostra uma relação de políticos com processos que concorrem nas eleições. A candidata a prefeita Marinor Brito (Psol) e os candidatos a vice Jorge Ferreira (PSL) e Leila Márcia Santos (PCdoB) constam como réus em processos envolvendo as categorias sindicais de trabalhadores e estudantil.

» Veja: AMB receberá denúncias
» Coligação de Marta critica lista
» AMB: 15 candidatos têm "ficha suja"
» Opine sobre a divulgação da lista

A coordenação da coligação Frente de Esquerda (Psol, PSTU, PCB) explica que a vereadora e candidata a prefeita Marinor Brito responde a processo por causa de uma greve dos professores públicos estaduais realizada em 1996. A candidata era na época dirigente do sindicato da categoria e por decisão dos membros, o prédio da Secretaria de Estado da Fazenda foi ocupado.

"Junto com ela, outros dirigentes respondem ao mesmo processo por crime contra o patrimônio. Achamos coerente a iniciativa dos magistrados em divulgar a lista, mas precisam fazer a diferenciação entre o dirigente que faz reivindicações para uma categoria de trabalhadores e um gestor que responde a processos por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito", afirmou Fernando Carneiro, dirigente estadual do Psol e coordenador da campanha.

Leila Márcia Santos é a vice da coligação Frente Belém Popular (PTN, PCdoB, PHS, PMN, PT, PSB), que tem como candidato a prefeito Mario Cardoso (PT), e também figura na lista da AMB. A candidata informou que o processo a qual responde na Justiça Federal diz respeito à ocupação do prédio da reitoria da Universidade Federal do Pará (UFPA) em 1996. Na ocasião, os universitários realizaram diversas manifestações pela universalização dos votos para a escolha do reitor da instituição. Leila Márcia atuava no movimento estudantil, que decidiu pela ocupação do prédio como forma de protesto.

"O processo no qual sou citada não tem nada vinculado com desvio de recursos. Assim como nessa manifestação, participei de outras do movimento estudantil tal qual a do 'Fora Collor'. Acho importante a divulgação da lista para que a sociedade tenha conhecimento de quem pleiteia cargos nestas eleições, mas deveriam separar o joio do trigo também", afirmou.

Jorge Ferreira é outro candidato a vice que responde a processo na Justiça e teve o nome divulgado pela AMB. Ele disputa as eleições pelo Partido Social Liberal (PSL), tendo como candidato a prefeito o ex-delegado e correligionário João Moraes.

O processo trata do período em que era dirigente do Sindicato dos Rodoviários de Belém. Em 2003, durante eleições realizadas para a escolha da direção da entidade, dois grupos que disputavam o pleito acabaram se envolvendo em uma briga, que resultou em inquérito policial e posteriormente em processo por lesão corporal e danos ao patrimônio.

"Fizeram acusações levianas e me botaram no meio disso indevidamente, porque era diretor de saúde do sindicato. Só que as mesmas pessoas que me acusaram, até hoje não foram depor perante a justiça", diz o candidato.


Redação Terra